“Corrida do Conhecimento”, “Brainstorming” e “Biochemistry Quest’: o papel da ludicidade no ensino-aprendizagem de Bioquímica no contexto da educação médica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.976

Palavras-chave:

ensino, aprendizagem, jogo, ludicidade, bioquímica

Resumo

Avanços científicos e mudanças socioculturais sofridas pela sociedade moderna requerem profissionais com habilidades para resolução de problemas. Assim, o uso de métodos lúdicos de ensino (MLE) está cada vez mais presente em currículos acadêmicos. O objetivo deste estudo foi avaliar a percepção do aprendizado dos estudantes da disciplina de Bioquímica e Biofísica Médica (BBM) após a inserção de MLE. Foram aplicados três métodos alternativos: um jogo de tabuleiro (Corrida do Conhecimento) contendo questões, discussões organizadas (Brainstorming) e um jogo para celular (Biochemistry Quest), todos eles contendo os principais temas da disciplina foram comparados com aulas expositivas. A percepção do aprendizado dos alunos foi avaliada por meio de um questionário previamente validado. Resultados quantitativos demonstraram a preferência dos alunos por aulas expositivas. No entanto, a análise qualitativa dos questionários ressaltou a importância da ludicidade como estratégia no ensino de BBM.

Referências

Simon E, Jezine E, Vasconcelos EM, Ribeiro KSQS. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem e educação popular: encontros e desencontros no contexto da formação dos profissionais de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2014;18:1355-1364.

Morán J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção mídias contemporâneas. Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. 2015;2:15-33.

Garcia MBO, Oliveira MM, Plantier AP. Interatividade e Mediação na Prática de Metodologia Ativa: o Uso da Instrução por Colegas e da Tecnologia na Educação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica. 2019;43:87-96.

Stella RCR., Puccini RF. A Formação Profissional no Contexto das Diretrizes Nacionais para o Curso de Medicina. In Puccini RF, Sampaio LO, Batista NA. A formação médica na Unifesp: excelência e compromisso social. São Paulo, SP: Editora Unifesp; 2008:53-69.

Leon LBD, Onófrio FDQ. Aprendizagem Baseada em Problemas na graduação médica–uma revisão da literatura atual. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015;39:614-619.

Dias-Lima A, Silva MDC, Ribeiro LCV, Bendicho MT, Guedes HTV, Lemaire DC. Avaliação, ensinagem e metodologias ativas: uma experiência vivenciada no componente curricular Mecanismos de Agressão e de Defesa, no curso de Medicina da Universidade do Estado da Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica. 2019;43:216-224.

Barbosa EF, de Moura DG. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico do Senac. 2013;39:48-67.

Yokaichiya DK. Estruturação e avaliação de uma disciplina de bioquímica a distância baseada no modelo de aprendizagem colaborativa (Dissertação de Doutorado). 2005. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Roloff EM. A importância do lúdico em sala de aula. X Semana de Letras. 2010. Rio Grande do Sul, RS: Editora PUCRS. Acesso em 17 de junho de 2020.

D'Ávila CM. Didática lúdica: saberes pedagógicos e ludicidade no contexto da educação superior. Revista entre ideias: educação, cultura e sociedade. 2014;3:87-100.

Resende BS, Alves LA, de Souza PDM, Gosch CS. Jogo da memória imunológica-uma proposta de gameficação no ensino médico. Projeção e Docência. 2019;10:119-125.

Covos JS, Covos JF, Rodrigues FR, Ouchi JD. O novo perfil de alunos no ensino superior, e a utilização de jogos lúdicos para facilitação do ensino aprendizagem. Revista Saúde em Foco. 2018;1:63-74.

Santos JCR, Rocha KM, Baroneza AM, Fernandes DR, Souza VV, Baroneza JE. Metodologias ativas e interdisciplinaridade na formação do nutricionista. Sêmina Ciências Sociais e Humanas. 2017;38:117-128.

Godinho PA, Olleniki NP, Baroneza AM, Baroneza JE. A aprendizagem baseada em problemas (ABP) como metodologia de ensino na disciplina de embriologia na visão do aluno. Acta Sci Hum Soc Sci. 2017;39:327-332.

Anastasiou LGC, Alves LP. Processos de Ensinagem na Universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 10 ed. Joinville, SC: Univille. 2015.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. 71 ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra. 2019.

Rodrigues, E. T. (2021). Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) no ensino de ciências e biologia : a produção acadêmica nos Cursos de Ciências Biológicas da UFPB/ Eranio Túlio Rodrigues. - João Pessoa, 2021. 61p. https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/21718/1/ETR23122021.pdf

dos Santos ADA, Santos PC, Marques RCP. O ensino de bioquímica da respiração celular facilitado por aplicativo para aparelho celular. Research, Society and Development. 2022;11:3, e21611326373, (CC BY 4.0) | ISSN 2525- 3409 | DOI:http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26373.

Berliner D. Educational research: the hardest science of them all. Educational Researcher. 2002;31:18-20.

Michael J. Where's the evidence that active learning works? Advances in Physiology Education. 2006;30:159-167.

da Silva BU. Adaptação da disciplina de bioquímica ao ensino remoto emergencial. Anais do IntegraEaD 2020;2(1)/Relato de Experiência.

Loguercio R, Souza D, Pino JCD. Mapeando a educação em bioquímica no Brasil. Ciências e Cognição. 2007;10:147-155.

Albuquerque MAC, et al. Bioquímica como sinônimo de ensino, pesquisa e extensão: um relato de experiência. Revista Brasileira de Educação Médica [online]. 2012;36(1):137-142.

Nogara PA., Schmitz GL, Eisenhardt LM, Moura BLT, Rocha JBT, Oliveira CS. Perception of undergraduate students of a Brazilian University about the Biochemistry course. Revista de Ensino de Bioquímica. 2018;16:5-24.

Zeni ALB. Conhecimento prévio para a disciplina de bioquímica em cursos da área da saúde da universidade regional de Blumenau-SC. Revista brasileira de ensino de bioquímica. 2010;8:16-29.

Fagundes CV, Luce MB, Espinar SR. O desempenho acadêmico como indicador de qualidade da transição Ensino Médio-Educação Superior. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. 2014;22:635-669.

Berbel NAN. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Sêmina, Ciências Sociais e Humanas. 2011;37:25-40.

Bressan MA, Couto ATS, Zucchi FCR, Baroneza JE. Metodologias ativas no ensino de Saúde: devemos considerar o ponto de vista dos alunos? Revista Docência do Ensino Superior. 2021;11:120.

Rego TC. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 25 ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2014.

Santos SMP. O lúdico na formação do Educador. 9 ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2011.

Alves TA, Falcão LS, Souza AT, Amaral TS, Lima, SP, Carvalho TB. Fisio card game: um jogo didático para o ensino da fisiologia na educação básica. Revista de Ensino de Bioquímica. 2016;14:99-120.

Rodenbaugh HR, Lujan HL, Rodenbaugh DW, DiCarlo SE. Having fun and accepting challenges are natural instincts: jigsaw puzzles to challenge students and test their abilities while having fun! Advances in Physiology Education. 2014;38:185-186.

Cardozo LT, Miranda AS, Moura MJCS, Marcondes FK. Effect of a puzzle on the process of students' learning about cardiac physiology. Advances in Physiology Education. 2016;40:425-431.

Prado HM, Falbo GH, Falbo AR, Figueirôa JN. Active Learning on the Ward: Outcomes From a Comparative Trial With Traditional Methods. Medical Education. 2011;45:273-279.

Downloads

Publicado

02-09-2022

Como Citar

Alves, S. C., Brandão, B. C., Dias, L. S. C., de Matos, L. F., da Silva, J. M. L. G., Baroneza, J. E., & Zucchi, F. C. R. (2022). “Corrida do Conhecimento”, “Brainstorming” e “Biochemistry Quest’: o papel da ludicidade no ensino-aprendizagem de Bioquímica no contexto da educação médica. Revista De Ensino De Bioquímica, 20(2), 161–178. https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.976

Edição

Seção

Pesquisa em ensino