Aprendendo síntese proteica de forma interativa e lúdica: o desafio da síntese proteica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.918

Palavras-chave:

Síntese Proteica, Jogo, Material Didático

Resumo

O objetivo desse trabalho é fornecer uma ferramenta pedagógica de fácil acesso e baixo custo aos professores de Biologia. Para isso, os pesquisadores propõem uma estratégia educativa lúdica, desenvolvida para o conteúdo de síntese proteica planejada para o Ensino Médio. Entendendo a complexidade do conteúdo de Síntese de Proteínas e das dificuldades impostas ao se trabalhar esse conteúdo, a ferramenta pedagógica proposta vem ao encontro de torná-lo mais compreensível aos alunos, contribuindo no processo de transposição do campo da abstração e trazendo o estudo para a prática na sala de aula. A proposta inclui processos em que os alunos participam da confecção do jogo e, posteriormente, iniciam a dinâmica do jogo. Acreditamos que a utilização desse jogo tem o potencial de aplicabilidade como ferramenta pedagógica, servindo como uma alternativa ao modelo tradicional de aula e aponta para um ensino ativo e colaborativo, favorecendo uma aprendizagem significativa.

Biografia do Autor

Patrícia Matos de Almeida, Secretaria Municipal de Educação (SME-SP)

Licenciada em Letras (FINTEC), Licenciada em Artes Visuais (UniÍtalo), Licenciada em Pedagogia (Uninove). Pós-Graduanda no curso de Especialização Lato Sensu em Docência pelo IFMG Campus Avançado Arcos. Atualmente é professora de Artes na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo e também na Secretaria Estadual de Educação de São Paulo.

Diego Soares Carvalho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO) Campus Colorado do Oeste

Licenciado e bacharel e Ciências Biológicas (2009), Licenciado em Pedagogia (2015), Mestre em Fisio-Farmacologia (2013). Doutorado em Fisio-Farmacologia (2017). Atualmente é professor de Biologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia - (IFRO).

Cláudio Alves Pereira, Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) Campus Avançado Arcos

Licenciado em Física (UNIG), Mestre em Educação (UFLA) e Doutorando em Educação (UFES). É professor no curso de Pós-Graduação em Docência do IFMG Campus Avançado Arcos.

Referências

de Carvalho J.C.Q, Beltramini LM, Abel, L.D.S, Bossolan N.R.S. “Sintetizando Proteínas”, o jogo: proposta e avaliação de uma ferramenta educacional. Revista de Ensino de Bioquímica. V12. N.1.2014

Weyh A, Carvalho I.G.B, Garnero A. del V. Twister Proteico: uma ferramenta lúdica envolvendo a síntese de proteínas. Revista de Ensino de Bioquímica. V13. N.1.2015

Sturges D, Maurer T.W, Cole O. Understanding protein synthesis: a role-play approach in large undergraduate human anatomy and physiology classes. Adv Physiol Educ 33: 103–110. 2009

Templin M.A, Fetters M.K. A working model of proteins synthesis using Lego® building blocks. Am Biol Teach; 64(9): 673-678. 2002

Camargo S.S, Infante-Malachias M.E. A genética humana no Ensino Médio: algumas propostas. Genética na Escola. 2007; 2(1): p. 14-16.

da Silva M.I, Pinheiro S.B, Mendes S.A.B.A, Campelo T.W.M, dos Santos Y.V.S, Gross M.C, Rodrigues D.P. Jogo AminoUNO: Uma Ferramenta Alternativa Para O Ensino Da Síntese De Proteínas No Ensino Médio. Revista de Ensino de Bioquímica. V12. N.1.2013

Gomes R.R, Friedrich M. A Contribuição dos jogos didáticos na aprendizagem de conteúdos de Ciências e Biologia. In: EREBIO,1, Rio de Janeiro, 2001, Anais..., Rio de Janeiro, 2001, p.389-92.

Pereira H.A.B.S, Pereira T.M, Magalhães A.C. Síntese Proteica "O Jogo" Journal of Biochemistry Education. V. 15, Esp / 2017.

Cheng M.T, Annetta L. Students’ learning outcomes and learning experiences through playing a Serious Educational Game. Journal of Biological Education. 2012.

Cheng M.T, She H.-C., & Annetta, L. A. (2014a). Game immersion experience: Its hierarchical structure and impact on game-based science learning. Journal of Computer Assisted learning. 2014.

Almeida M.T.P de. Jogos Divertidos E Brinquedos Criativos. Petrópolis/RJ: Vozes, 2004.

Grando R.C. O Jogo: suas Possibilidades Metodológicas no Processo Ensino-Aprendizagem da Matemática. Dissertação de Mestrado. Campinas, SP. Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1995. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253786 acesso em 15 de março de 2020.

Prensky M. Teaching digital natives: partnering for real learning. Thousand Oaks, CA: Corwin;2010.

Freeman S et al. Active learning increases student performance in science, engineering and mathematics. PNAS. 2014;111(23):8410-8415.

Cortelazzo A.L, Fiala D.A.S, Piva Jr D, Panisson L, Rodrigues M.R.J.B. Metodologias ativas e personalizadas de aprendizagem: para refinar seu cardápio metodológico. 1ªed. Rio de Janeiro: Alta Books, 2018.

Miranda S. No Fascínio do jogo, a alegria de aprender. In: Ciência Hoje, v.28, 2001 p. 64-66.

Dohme V. Atividades lúdicas na educação: o caminho de tijolos amarelos do aprendizado. -4. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

Zuanon Á.C.A, Diniz RHS, Nascimento LH. Construção de jogos didáticos para o ensino de Biologia: um recurso para integração dos alunos à prática docente. R. B. E. C. T. vol 3, núm 3, set./dez. 2010

Downloads

Publicado

01-02-2021

Como Citar

Almeida, P. M. de, Carvalho, D. S., & Pereira, C. A. (2021). Aprendendo síntese proteica de forma interativa e lúdica: o desafio da síntese proteica. Revista De Ensino De Bioquímica, 18(2), 1–13. https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.918

Edição

Seção

REB na Escola

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.