Metodologias ativas de aprendizagem utilizando modelo didático como ferramenta educacional para estudar interações moleculares em membranas e matriz extracelular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.917

Palavras-chave:

Ensino de Bioquímica, modelo didático, aprendizagem significativa

Resumo

Os assuntos membrana e matriz extracelular são de difícil compreensão por parte dos alunos, assim, o objetivo deste trabalho foi estimular os alunos a confeccionar as moléculas constituintes da membrana e da matriz extracelular e a montar um modelo didático a partir delas. A metodologia proposta consistiu em separar a turma em grupos em que, cada grupo, seria responsável pela confecção e exposição para a sala das moléculas (Lipídeos de membrana, integrinas, fibronectina, colágeno, elastina, laminina, ácido hialurônico e proteoglicanos). As moléculas foram apresentadas à turma e os grupos, juntos, montaram a membrana e a matriz apontando a localização das moléculas e suas possíveis interações. Todos os grupos criaram suas moléculas de acordo com as especificações dadas e interagiram positivamente durante a montagem do modelo didático. Consideramos que a atividade atingiu seus objetivos pela construção de um modelo didático facilmente utilizável para a compreensão de tais assuntos.

Biografia do Autor

Luciana Duarte Martins Da Matta, Universidade Federal do Rio Grande do Norte/Departamento de Bioquímica

DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA DA UFRN

ÁREA: ENSINO DE BIOQUÍMICA

Luciana Guimarães Alves Filgueira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte/Departamento de Bioquímica

DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA

ÁREA: ENSINO DE BIOQUÍMICA

Giulianna Paiva Viana de Andrade Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Norte/Departamento de Bioquímica

DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA

ÁREA: ENSINO DE BIOQUÍMICA

Referências

Santos VJSV, Oliveira EA, Garzon JCV, Galembeck E. Desenvolvimento e avaliação de uma ferramenta para diagnóstico de literacia visual, contextualizada no ensino de metabolismo. Revista de Ensino de Bioquímica. 2013; 24 (1): 29- 51.

Barbosa PPS, Gadelha TS, Gadelha CAA, Persuhn DC. Perfil – Biomolecules. Revista de Ensino de Bioquímica. 2014; 12 (1): 24-33.

Farkuh L, Pereira-Leite C. Bioquim4x: um jogo didatico para rever conceitos de bioquímica. Revista de Ensino de Bioquímica. 2014; 12 (2): 37-54.

Feldberg RS. The new biochemistry: in praise of alternate curricula. Biochemistry and Molecular Biology Education. 2001; 29: 222–224.

Cortelazzo AL, Lourenço, LB. Metodologia da sala de aula invertida como estratégia para o ensino da fotossíntese. Revista de Ensino de Bioquímica. 2019; 7 (2): 15-41.

Winter E, Cardoso FP. Aprendizagem baseada em equipes no ensino de bioquímica na graduação. Revista de Ensino de Bioquímica. 2019; 17: 26-36.

Ausubel DP, Novak J, Hanesian H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Editora Interamericana.1980.

Oenning V, Oliveira JMP. Dinâmicas em sala de aula: envolvendo os alunos no processo de ensino, exemplo com os mecanismos de transporte da membrana plasmática. Revista de Ensino de Bioquímica. 2011; 1: 1-12.

Trindade VMT, Pastoriza B, Vianna LP, Salbego CG, Del Pino JC. Um objeto de aprendizagem para o estudo interativo da glicogênese hepática pelas vias direta e indireta. Revista de Ensino de Bioquímica. 2011; 1: 1-9.

Rossi-Rodrigues BC, Galembeck E. Aminoácidos e proteínas: proposta de uma atividade prática sob uma abordagem investigativa. Revista de Ensino de Bioquímica. 2011; 1: 1-10.

Schimidt DB, Heggendornn LH, Pereira HS, Vieira V, Aguiar-Alves F. Mapas Conceituais no Ensino de Bioquímica, uma Integração entre os Conceitos Científicos. Revista de Ensino de Bioquímica. 2014; 12 (2): 7-23.

Anastasiou LGC, Alves LP. Estratégias de ensinagem na universidade. Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3a ed. Joinville: Univille. 2004.

Nelson DL, Cox MM. Princípios de bioquímica de Lehninger. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed. 2014.

Rodwell VW, Bender DA, Botham KM, Kennedy PJ, Weil PA. Bioquímica Ilustrada de Harper. 30ª ed. McGraw Hill Brasil. 2016.

Corpe FP, Mota EF. Utilização de modelos didáticos no ensino-aprendizado em imunologia.

Justina lad, Ferla MR. A utilização de modelos didáticos no ensino de genética- exemplo de representação de compactação do DNA eucarioto. Arq Mudi. 2006; 10(2): 35-40.

Orlando TC, Lima AR, Silva AM, Fuzissaki CN, Ramos CL, Machado D, Fernandes FF, Lorenzi JCC, Lima A, Gardim A, Barbosa VC, Tréz TA. Planejamento, montagem e aplicação de modelos didáticos para abordagem de biologia celular e molecular no ensino médio por graduandos de ciências Biológicas. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular. 2009; 1: 1- 17.

Schonborn KJ, Anderson TR. The Importance of Visual Literacy in the Education of Biochemists. Biochemistry and Molecular Biology Education. 2006; 34 (2): 94-102.

Downloads

Publicado

02-09-2022

Como Citar

Da Matta, L. D. M., Ferreira, V. D. S., Lima, R. V. da C., Medeiros, M. V. dos S., Silva do Nascimento, J. K., Filgueira, L. G. A., & Souza, G. P. V. de A. (2022). Metodologias ativas de aprendizagem utilizando modelo didático como ferramenta educacional para estudar interações moleculares em membranas e matriz extracelular. Revista De Ensino De Bioquímica, 20(2), 179–190. https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.917

Edição

Seção

Inovações educacionais