Estratégia de ensino: Aprenda em sala de aula

Autores

  • Sônia Aparecida Santiago Departamento de Biologia Estrutural e Funcional Instituto de Biologia Universidade Estadual de Campinas
  • Hernandes F Carvalho Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.16923/reb.v16i1.787

Palavras-chave:

Estratégia de Ensino, Sala de aula invertida, Aprendizado ativo, flipped classroom

Resumo

Instituições de ensino mudam as estratégias de ensino para melhorar a apreensão e a compreensão dos conteúdos pelos alunos. A maioria almeja que o aluno protagonize seu aprendizado e procuram abandonar a clássica exposição verbal pelo professor. Esse artigo aborda uma estratégia de ensino híbrida, inspirada na sala de aula invertida (ou Flipped Classroom), buscando o protagonismo do aluno, mas concentrando-se no tempo destinado à aula. A estratégia “Aprenda em sala de aula” foi aplicada em 2013 na disciplina de Biologia Celular II da Universidade Estadual de Campinas e testou duas hipóteses: (1) o tempo necessário para a transmissão dos conceitos principais de uma dada matéria pode ser bastante reduzido;  (2) dado o tempo necessário e oportunidades, atinge-se excelente participação dos alunos, atendendo, inclusive, a grande diversidade de perfis existente nas salas de aula. Aqui apresentamos a estratégia, resultados de sua avaliação e os aspectos positivos e negativos desta estratégia.

Biografia do Autor

Hernandes F Carvalho, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Biologia Estrutural e Funcional

Biologia Celular

Referências

Tapscott D. A hora da geração digital: como os jovens que cresceram usando a internet estão mudando tudo, das empresas aos governos. Rio de Janeiro: Agir Negócios; 2010.

Tapscot D, Williams A. Innovating the 21st-century university: It´s time! Educause Review. 2010;45(1):16-29.

Ramal A. Sala de Aula Invertida: a educação do futuro. G1. Disponível em: http://g1.globo.com/educacao/blog/andrea-ramal/post/sala-de-aula-invertida-educacao-do-futuro.html. 2015. Acessado em 02 de fevereiro de 2017.

Bergmann J, Sams A. Sala de Aula Invertida: Uma metodologia ativa de aprendizagem. 1.ed. Rio de Janeiro: LTC; 2016.

Ausebel DP, Novak JD, Hanesian H. Psicologia Educacional. 2ª. ed., Rio de Janeiro: Interamericana; 1980.

FERRAZ, Ana Paula C. M.; BELHOT, Renato Vairo. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão de Produção, São Carlos, v.17,n.2, p.421-431, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/gp/v17n2/a15v17n2> Acesso em 06 de jun. 2018.

Prince M. Does active learning work? A review of the research. Journal of Engineering Education. 2004;93(3):223-231.

Novak JD, Gowin D. Aprendiendo a aprender. Barcelona: Martínez Roca; 1988.

Ramsden P. Learning to Teach in Higher Education. London: Routledge; 1992.

Downloads

Publicado

21-09-2018

Como Citar

Aparecida Santiago, S., & Carvalho, H. F. (2018). Estratégia de ensino: Aprenda em sala de aula. Revista De Ensino De Bioquímica, 16(1), 51–73. https://doi.org/10.16923/reb.v16i1.787

Edição

Seção

Inovações educacionais