Bioquim<sup>4x</sup>: um jogo didático para rever conceitos de bioquímica

Autores

  • Laura Farkuh Departamento de Bioquímica, Instituto de Química, Universidade de São Paulo
  • Catarina Pereira-Leite Departamento de Bioquímica, Instituto de Química, Universidade de São Paulo, Brasil Departamento de Ciências Químicas, Faculdade de Farmácia, Universidade do Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.16923/reb.v12i2.342

Palavras-chave:

Bioquímica, jogo didático, revisão

Resumo

A disciplina de Bioquímica é definida pelos estudantes como uma disciplina de grau de dificuldade elevado. Por isso, diversas metodologias alternativas de ensino têm sido desenvolvidas na tentativa de ultrapassar a dificuldade dos estudantes perante a disciplina. Entre estas metodologias encontram-se os jogos didáticos, que permitem um equilíbrio entre uma atividade lúdica e a melhoria da aprendizagem e interesse dos alunos pela disciplina. O jogo Bioquim4x é uma proposta alternativa para o ensino de Bioquímica, que visa rever os conceitos transmitidos em sala de aula, estimulando diversas aptidões dos estudantes, como a sua criatividade, e possibilita ainda correlacionar a Bioquímica com eventos diários. A aplicação deste jogo a estudantes de Bioquímica demonstrou o seu potencial como uma atividade didática e lúdica à disposição de estudantes e docentes.

Biografia do Autor

Laura Farkuh, Departamento de Bioquímica, Instituto de Química, Universidade de São Paulo

Mestranda em Ciências Biológicas (Bioquímica) pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo

Catarina Pereira-Leite, Departamento de Bioquímica, Instituto de Química, Universidade de São Paulo, Brasil Departamento de Ciências Químicas, Faculdade de Farmácia, Universidade do Porto, Portugal

Doutoranda em regime de dupla titulação em Ciências Biológicas (Bioquímica) pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo e em Ciências Farmacêuticas pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto

Referências

Beckhauser PF, Almeida EM, Zeni ALB. O universo discente e o ensino de bioquímica. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2006; 4(2): 16-22.

Pinheiro TDL, Silva JAd, Souza PRMd, Nascimento MMd, Oliveira HDd. Ensino de Bioquímica para acadêmicos de Fisioterapia: visão e avaliação do discente. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2009; 7(1): 25-35.

Vargas LHM. A bioquímica e a aprendizagem baseada em problemas. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2001; 1(1): 15-9.

Vieira LQ, Nicoli JR, Prado VF, Santoro MM, Teixeira SMR, Bemquerer M, et al. Abordagem prática para o ensino de Bioquímica. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2001; 1(1): 20-6.

Wannmacher CMD. Ensinando Bioquímica para futuros médicos. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2001; 1(1): 3-8.

Santos VT, Anacleto C. Monitorias como ferramenta auxiliar para aprendizagem da disciplina bioquímica: uma análise no Unileste-MG. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2007; 5(1): 45-52.

Yokaichiya DK, Galembeck E, Torres BB. O que alunos de diferentes cursos procuram em disciplinas extracurriculares de bioquímica? Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2004; 2(1): 37-44.

Heidrich DN, Angotti JAP. Implantação e avaliação de ensino semipresencial em disciplinas de bioquímica utilizando ambiente virtual de aprendizagem. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2010; 8(1): 45-58.

Miquelin AF, Mion RA, Angotti JA. Educação e Tecnologias na Formação de Professores: Possibilidades Dialógicas via Internet. In Anais de V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciências; 2005; Bauru.

Hamamoto T, Kagawa Y. Internet Assisted Learning of Biochemistry in Japan. Biochemical Education 2001; 26(1): 27-9.

Machado MS, Ricardo J, Sugai JK, Figueiredo MSRB, Antônio RV, Heidrich.D.N. Bioquímica Através da Animação. Extensio - Revista Eletrônica de Extensão UFSC 2004; 1(0).

Amorim AS. A influência do uso de jogos e modelos didáticos no ensino de biologia para alunos de ensino médio. Monografia [Licenciatura em Ciências Biológicas] - Universidade Aberta do Brasil. 2013.

Rade AV, Borges RMR. Repercussões do uso de jogos como ferramenta didática nas aulas de matemática financeira. In Anais de V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação; 2010; Porto Alegre.

Moratori PB. Por que utilizar jogos educativos no processo de ensino aprendizagem? Trabalho de conclusão [Mestrado de Informática aplicada à Educação] - Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2003.

Setúval FAR, Bejarano NRR. Os modelos didáticos com conteúdos de genética e a sua importância na formação inicial de professores para o ensino de ciências e biologia. In Anais de Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências; 2009; Florianópolis.

Pinto LT. O uso dos jogos didáticos no ensino de ciências no primeiro segmento do ensino fundamental da rede municipal pública de duque de caxias. Dissertação [Mestrado em Ensino de Ciências] - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. 2009.

Downloads

Publicado

27-10-2014

Como Citar

Farkuh, L., & Pereira-Leite, C. (2014). Bioquim<sup>4x</sup>: um jogo didático para rever conceitos de bioquímica. Revista De Ensino De Bioquímica, 12(2), 37–54. https://doi.org/10.16923/reb.v12i2.342

Edição

Seção

Inovações educacionais