Ensino remoto e COVID-19: percepções de docentes e discentes acerca do processo de ensino-aprendizagem de Química e Bioquímica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.1027

Palavras-chave:

Tecnologias, Ensino de Bioquímica, Ensino de Química.

Resumo

Desde 2019, o mundo presencia a crise de saúde causada pelo vírus SARS-CoV-2, responsável por causar a COVID-19. As condições de distanciamento social impostas obrigaram a comunidade universitária a suspender as aulas presenciais. Nesse contexto, a mudança para o aprendizado remoto tornou-se um desafio devido à necessidade de não comprometer o processo de aprendizagem. Assim, o presente estudo teve como objetivo relatar a experiência de acadêmicos e professores frente a aulas remotas nos componentes curriculares de Química e Bioquímica em diferentes cursos de graduação. O presente estudo adotou uma abordagem qualitativa e caracterizada como descritiva. A pesquisa foi realizada em 3 diferentes campi de uma Universidade Federal do estado do Rio Grande do Sul (RS) e o instrumento de pesquisa consistiu em questionários online destinados aos docentes e discentes. Os resultados mostram a percepção dos discentes e docentes acerca da reestruturação das componentes curriculares, percepção da aprendizagem, percepção sobre o ensino remoto e uso de tecnologias e percepção docente sobre o ensino híbrido, este sendo considerado um bom formato para as demandas da sociedade atual. Por meio dos resultados obtidos, pode-se concluir que o ensino remoto proporcionou mudanças e reflexões quanto a prática docente, aprendizagens potencialmente significativas devido a novas, habilidades e desenvolvimento da autonomia dos estudantes.

Biografia do Autor

Kellen Mariane Athaide Rocha, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (UNIPAMPA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS)

Graduada em Biomedicina, Especialista em Docência no Ensino Superior, Mestre em Bioquímica e Doutoranda em Bioquímica. Atua no departamento de Bioquímica (UNIPAMPA e UFRGS). Área de atuação: Ensino de Bioquímica e Ciências da Saúde.

Referências

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Coronavirus disease 2019: situation Report-46. Geneva: Author, 2020. Available from: https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situation-reports/20200306-sitrep-46-covid-19.%20pdf?sfvrsn=96b04adf_2

HODGES C et al. The difference between emergency remote teaching and online learning. Educause review, 2020;27:1-12.

VOLLBRECHT PJ., PORTER-STRANSKY KA., LACKEY-CORNELISON WL. Lessons learned while creating an effective emergency remote learning environment for students during the COVID-19 pandemic. Advances in physiology education, 2020;44(4):722-725.

CAROLAN, Clare et al. COVID 19: Disruptive impacts and transformative opportunities in undergraduate nurse education. Nurse Education in Practice, 2020;46:102807.

SWAMINATHAN N et al. Evaluating the effectiveness of an online faculty development programme for nurse educators about remote teaching during COVID-19. Journal of Taibah University Medical Sciences, 2021;16(2):268-273.

BOZKURT A, SHARMA RC. Emergency remote teaching in a time of global crisis due to CoronaVirus pandemic. Asian Journal of Distance Education, 2020;15(1):i-vi.

LINDER KE. Fundamentals of hybrid teaching and learning. New directions for teaching and learning, 2017;2017(149):11-18.

OLIVEIRA ZM et al. Estratégias para retomada do ensino superior em saúde frente a COVID-19. Revista Enfermagem Atual In Derme, 2020;93:e020008-e020008.

CARBAJAL CÑ. A new way of learning biochemistry: Case method of teaching. Educacion Medica, 2020;21(1):40-44.

CARVALHO AMP. Fundamentos teóricos e metodológicos do ensino por investigação. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2018;18(3):765-794.

GIL, AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2002.

MALHOTRA N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4th ed. Porto Alegre: Bookman; 2006.

CHAER G, DINIZ RP, RIBEIRO E. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Evidência, 2011;7(7):251-266.

GIL AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5th ed. São Paulo: Atlas; 1999.

MORAES R, GALIAZZI MC. Análise Textual Discursiva. 2th Ed. Ijuí: Ed. Unijuí; 2011.

DEPAOLO CA, WILKINSON K. Get your head into the clouds: Using word clouds for analyzing qualitative assessment data. TechTrends, 2014;58(3):38-44.

ALVES M et al. Formação Docente em tempos de Pandemia: relato de experiência em ensino remoto em uma disciplina pedagógica em instituição federal. Research, Society and Development, 2020;9(11):e64391110061-e64391110061.

KIRKWOOD A, PRICE L. Technology-enhanced learning and teaching in higher education: what is 'enhanced' and how do we know? A critical literature review. Learning, Media and Technology, 2014;39(1):6-36.

PERSON VA, ROCHA JBT. Inter-relação entre metodologias didáticas, motivos e aprendizagem em Bioquímica. Revista Insignare Scientia-RIS, 2020;3(2):101-118.

CORRÊA GT, RIBEIRO VMB. Formação pedagógica na pós-graduação stricto sensu em saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva, 2013;18:1647-1656.

RIBEIRO MFM, OLIVEIRA GA, FARIA ET. Formação pedagógica de docentes e pós-graduandos no âmbito da Pós-Graduação em Fisiologia no Brasil. Educação Por Escrito, 2020;11(1):e32684-e32684.

COSTA NMSC. Formação pedagógica de professores de medicina. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2010;18:102-108.

NASCIMENTO EN, GIMENIZ-PASCHOAL SR. Estratégias de avaliação do aluno: uma análise de programas de ensino de cursos de fonoaudiologia. Distúrbios da Comunicação, 2008;20(3):349-354.

MITRE SM et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & saúde coletiva, 2008;13:2133-2144.

FREITAS DA et al. Saberes docentes sobre processo ensino-aprendizagem e sua importância para a formação profissional em saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 2016;20:437-448.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domílicios Contínua (PNAD), 2017. Available from: https://www.ibge.gov.br/

BALDOCK BL et al. Overcoming the Challenges of Remote Instruction: Using Mobile Technology to Promote Active Learning. Journal of Chemical Education, 2021;98(3):833–842.

PINHEIRO JG et al. Avaliação das Ferramentas de Desenvolvimento da Presencialidade Virtual, Aprendizagem Autônoma e Colaborativa Presentes no AVA Moodle©. Redin-Revista Educacional Interdisciplinar, 2018;7(1).

ANDRADE VT et al. Estilos de aprendizagem segundo postulados de David Kolb: uma experiência no curso de medicina. Brazilian Journal of Health Review, 2020;3(2): 3858-3874.

MEURER AM et al. Estilos de aprendizagem e rendimento acadêmico na universidade. REICE: Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 2018;16(4):23-43.

ROCHA VKO et al. Gerações e estilo de aprendizagem: Um estudo com alunos de uma universidade pública em Alagoas. Revista Economia & Gestão, 2018;18(50):80-96.

GALEMBECK E et al. Biochemistry and molecular biology education in Latin America and the Iberian Peninsula-Part 2. Biochemistry and Molecular Biology Education, 2010;38(2):63.

SILVEIRA JT, ROCHA JBT. Produção científica sobre estratégias didáticas utilizadas no ensino de Bioquímica: uma revisão sistemática. Revista de Ensino de Bioquímica, 2016;14(3):7-21.

ASHKANANI, A et al. Converting a formerly in‐person biochemistry course based undergraduate research experience to online teaching during the COVID‐19 pandemic. Biochemistry and Molecular Biology Education, 2021.

PEREIRA A, SASS SD, GALLIAN DMC. Percepções de Docentes sobre as Tecnologias no Ensino em Saúde. EAD em Foco, 2020;10(2).

FELIX JM, SILVA IMM. Repositórios Digitais na Educação a Distância: Dialogando com percepções de docentes da UAB. EaD em Foco, 2020;10(e853)01-12.

OLIVEIRA FA, DOS SANTOS AMS. Construção do Conhecimento na Educação a Distância: Descortinando as Potencialidades da EaD no Brasil. EaD em Foco, 2020;10(e799):01-15.

ROSADO VF et al. Produção de vídeos no Ensino de Bioquímica e Química Orgânica. Revista de Ensino de Bioquímica, 2020;18(1)1-20.

GOMES AL, BILESSIMO SMS, SILVA JBS. Aplicação de sequência didática investigativa com uso de laboratórios on-line do ensino de Química em turmas do ensino médio em uma escola pública: Uma pesquisa-ação. Experiências em Ensino de Ciências, 2020;15(1)499-519.

MCLEOD S. Kolb's learning styles and experiential learning cycle. Simply psychology, 2017.

DASH NR et al. Preferred teaching styles of medical faculty: an international multi-center study. BMC medical education, 2020;20(1)1-9.

CODINA N et al. Preventing procrastination behaviours: teaching styles and competence in university students. Sustainability, 2020;12(6):2448.

FETTERMANN FA et al. Contribuições das Tecnologias Digitais no Curso de Formação Docente sobre Saúde. Research, Society and Development, 2020;9(8):e695986145-e695986145.

MODELSKI D, GIRAFFA LMM, CASARTELLI AO. Tecnologias digitais, formação docente e práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, 2019;45.

FELCHER CDO, PINTO AC, FOLMER V. Tendências em Tecnologias Digitais no Ensino da Matemática Reveladas no EBRAPEM Trends in Digital Technologies in Teaching Mathematics Revealed in EBRAPEM. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, 2019;21(2).

VILLAS BÔAS L., UNBEHAUM S. Educação escolar em tempos de pandemia. Informe 1. Fundação Carlos Chagas, 2020. Available from: http://abre.ai/bgvP

SOUZA JÚNIOR AA, DE ANDRADE GPV, DOS SANTOS EA. Ensino híbrido e gamificação aplicado no ensino de Bioquímica. Revista de Ensino de Bioquímica, 2018;16(2)87-103.

CERUTTI E, DE MELO LF. Abordagem híbrida no ensino superior: reflexões teórico-metodológicas. Revista on line de Política e Gestão Educacional, 2017:605-620.

Downloads

Publicado

05-12-2022

Como Citar

Rocha, K. M. A., Goulart, A. da S., Salgueiro, A. C. F., & Folmer, V. (2022). Ensino remoto e COVID-19: percepções de docentes e discentes acerca do processo de ensino-aprendizagem de Química e Bioquímica. Revista De Ensino De Bioquímica, 20(2), 298–321. https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.1027

Edição

Seção

Pesquisa em ensino