Métodos ativos, experiência laboratorial e correlações clínicas articuladas ao aprendizado da Bioquímica: inovando o método de ensino na Universidade de Pernambuco Campus Garanhuns

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16923/reb.v21i1.1026

Palavras-chave:

inovação no ensino, medicina, metodologias ativas

Resumo

Diante da atual conjuntura da universidade brasileira em relação a estratégias ativas de ensino-aprendizagem, surgiu a proposta de desenvolver um projeto de monitoria que envolvesse a aplicação de conceitos fundamentais da disciplina de bioquímica dentro do universo de atuação profissional futura dos alunos de medicina da UPE Garanhuns. Em conjunto, Team Based Learning (TBL), discussão de casos clínicos, aulas práticas em laboratório e fórum discursivo foram os métodos usados para tornar o processo de ensino-aprendizagem mais instigante e dinâmico, inovando o modo como a monitoria da disciplina de Bioquímica foi trabalhada na UPE Garanhuns. Os alunos, protagonistas deste projeto e principais beneficiários da monitoria, reportaram um grau de satisfação de mais de 80% para todos os métodos usados. O projeto oportunizou ainda aos monitores tomarem atitudes autônomas perante o conhecimento, assumindo, com maior responsabilidade, o compromisso de investir em sua formação acadêmica.

Biografia do Autor

Priscilla Barbosa Sales de Albuquerque, UPE Campus Garanhuns

Departamento de Medicina

Grande área de pesquisa: Bioquímica

Referências

Nelson DL, Cox MM. Princípios de Bioquímica de Lehninger. 6a ed. Fraga S de, editor. Artmed; 2014.

Silveira JT, Da Rocha JBT. Produção científica sobre estratégias didáticas utilizadas no ensino de Bioquímica: uma revisão sistemática. Rev Ensino Bioquímica. 2016;14(3):7.

Yazbeck DC de M, Azevedo LL de, Siqueira MRL, Menezes VM de. Novos rumos para a educação médica. Rev Bras Educ Med. 2000;24(2).

UPE. Projeto Pedagógico de Curso de Graduação Bacharelado em Medicina. Disponível em: <http://www.upe.br/garanhuns/wp-content/uploads/2018/09/PPC_MEDICINA_UPE_GARANHUNS_2017.pdf>. Acesso em: 14 de novembro de 2022.

Bacich L, Moran J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. 1st ed. Oliveira PA de, editor. Porto Alegre: Penso editora; 2018.

Krug RR, Vieira MSM, Maciel MVA, Erdmann TR, Vieira FCF, Koch MC, et al. O “bê-á-bá” da aprendizagem baseada em equipe. Rev Bras Educ Med. 2016;40(4):602-10.

Silva DSM, Sé EVG, Lima VV, Borim FSA, Oliveira MS, Padilha RQ. Metodologias ativas e tecnologias digitais na educação médica: novos desafios em tempos de pandemia. Rev Bras Edu Med. 2022;46(2): e058.

Berbel NAN. A metodologia da problematização e os ensinamentos de Paulo Freire: uma relação mais que perfeita. In: Metodologia da problematização: fundamentos e aplicações. Londrina: UEL; 1999. p. 1–28.

Rúbya M, Paiva F, Helena A, Queiroz B. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. 2016;145–53.

Lacerda MDM. O ensino de bioquímica e microbiologia por meio de aulas práticas em uma abordagem interdisciplinar [mestrado]. Universidade Estadual do Ceará (UFC); 2019.

Ribeiro HL. Estratégia interdisciplinar para o ensino de microbiologia no ensino médio [mestrado]. Universidade Federal de Juiz de Fora; 2020.

Ferreira DL. Elaboração de material para aulas práticas voltadas ao ensino de microbiologia para alunos do ensino médio [mestrado]. Universidade Federal de Juiz de Fora; 2019.

Lima AS, Azzolin KAS, Moresco TR, Rocha JBT, Barbosa NV. Atividades experimentais nos anos iniciais do ensino fundamental: ferramenta metodológica para a construção do processo de ensino aprendizagem. REB. 2017;15(1): 41-63.

Souza, KP, Vieira SMC, Ruas KF, Silva ANG, Lacerda GA. O ensino de bioquímica associado às práticas laboratoriais no ensino superior adaptadas para licenciatura. Fórum de ensino, pesquisa, extensão e gestão [Internet]. Minas Gerais; 2015. Disponível em: < http://www.fepeg2015.unimontes.br/sites/default/files/resumos/arquivo_pdf_anais/resumo_expandid_0.pdf>.

Gonçalves, R. et al. O uso de fóruns de discussão sobre tópicos de interesse geral como estratégia para melhorar o interesse dos estudantes em Fisiologia. REB. 2017;15(1): 06-14.

Alves MMS, Ferrete AASS, Santos WL. Reflexões acerca do uso das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na formação inicial docente de uma turma de licenciatura em EaD. 2021;17:1–12.

Peixoto JM, Santos SME, De Faria RMD. Processos de desenvolvimento do raciocínio clínico em estudantes de medicina. Rev Bras Educ Med. 2018;42(1):73-81.

Rosado VF, Felcher CO, Salgueiro AF, Folmer V. Produção de vídeos no Ensino de Bioquímica e Química Orgânica. Rev Ensino Bioquímica. 2020;18(1):1–20.

Salgueiro ACF, Goulart A da S, Viçosa DL, Viçosa CSCL, Folmer V. Resolução de problemas no ensino de Ciências : utilização de Artemia salina como modelo experimental para o estudo de plantas medicinais na escola básica. 2018;16(2).

Cardoso AM, Reis FMD, Moreira LC, Lanzini M, Lopes MLS. Uso de casos clínicos e fish-bowl complementando aulas expositivas no ensino de bioquímica para cursos de medicina. Ver Med. 2021;100(6): 554-560.

Leite ACS, Silva PAB, Vaz ACR. A importância das aulas práticas para alunos jovens e adultos: uma abordagem investigativa sobre a percepção dos alunos do PROEF II. Rev Ens. 2005;07(03):166–81.

Toy EC, Seifert WE, Strobel HW, Harms KP. Casos Clínicos em Bioquímica. Ed. McGraw Hill, Brasil; 2016.

Schallenberger K, Soares NA. O ensino de Biologia Celular e Molecular na formação inicial docente a partir do método Team-based-learning. Rev Ensino Bioquímica. 2020;18(1):65–79.

Borges MC, Chacá SGF, Quintana SM, Freitas LCC, Rodrigues MLV. Aprendizado baseado em problemas. Medicina (Ribeirão Preto). 2014;47(3): 301-307.

Downloads

Publicado

02-06-2023

Como Citar

Cavalcante, F. J. de O., Fonsêca, C. V. L. da, Luz, E. S. M. da, Silva, L. C. da C., Ramos, L. C. E., Soares, L. M. S., … Albuquerque, P. B. S. de. (2023). Métodos ativos, experiência laboratorial e correlações clínicas articuladas ao aprendizado da Bioquímica: inovando o método de ensino na Universidade de Pernambuco Campus Garanhuns. Revista De Ensino De Bioquímica, 21(1), 1–16. https://doi.org/10.16923/reb.v21i1.1026

Edição

Seção

Inovações educacionais