Sequência de Ensino Investigativa Contextualizada com Diabetes Mellitus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.1016

Palavras-chave:

Metodologias Ativas, Atividades experimentais investigativas, diabetes melittus, Bioquímica Experimental.

Resumo

As Sequências de Ensino Investigativas (SEI) buscam auxiliar e incentivar a construção do conhecimento, onde o aluno é protagonista em uma proposta ativa de aprendizagem. Este artigo apresenta a proposta de uma SEI contextualizada e interdisciplinar, que contempla conceitos básicos e clínicos em seu desenvolvimento. A SEI foi validada e aplicada para a disciplina de Bioquímica de um curso de Medicina de uma Universidade Pública, utilizando como problematização e contexto a Diabetes Melittus. A SEI é uma metodologia ativa de aprendizagem, fundamentadas teoricamente. Constitui-se por uma sequência bem planejada de ações, onde em um primeiro momento os alunos se apropriam do problema. Com os materiais e aparatos disponíveis, ocorre em grupo o levantamento de hipóteses, seguido do planejamento experimental. Supervisionados pelo professor r, realizaram as testagens experimentais, seguida de análise dos resultados obtidos e suas discussões. Desta maneira, compartilhamos essa SEI, enfatizando a experimentação, uma vez que a resposta frente a atividade realizada foi bem aceita pelos estudantes. Esta SEI estabeleceu relações entre conteúdos teóricos e experimentais, básicos e clínicos, visando formar sujeitos autônomos e críticos.

Biografia do Autor

Prislaine Pupolin Magalhães, Faculdade de Ciências UNESP - Bauru/SP.

Doutora em Química pela FFCLRP USP e aluna de doutorado em Educação para Ciência. Faculdade de Ciências UNESP -  Bauru/SP.

Rodrigo Cardoso de Oliveira, Faculdade de Odontologia de Bauru - FOB USP

Professor Associado do Departamento de Ciências Biológicas, área Bioquímica da Faculdade de Odontologia de Bauru - FOB USP.

Flávia Godoy Iano, Faculdade de Ciências UNESP - Bauru/SP.

Aluna de pós doutorado do Departamento de Química. Faculdade de Ciências UNESP -  Bauru/SP.

Isabela Pereira Ferraz, Faculdade de Ciências UNESP - Bauru/SP.

Aluna de mestrado em Ensino de Ciências. Faculdade de Ciências UNESP -  Bauru/SP.

Silvia Regina Quijadas Aro Zuliani, Faculdade de Ciências UNESP - Bauru/SP.

Professora Assistente na Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", campus de Bauru Departamento de educação. Atua na Licenciatura em Química e no programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência.

Referências

Magalhães PP, Oliveira RC, Ponce D, Zuliani SRQA. Bioquímica e Função Renal: Utilizações de Sequências Didáticas com Enfoque Investigativo para Reaproximação de Conceitos Específicos. Rev. Bras. Educ. Med. 2020; 43 (1); suppl.1: 404-413.

Sasseron LH. Alfabetização científica, Ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. 2015; 17 (spe): 49-67.

Azevedo, M. C. Ensino por Investigação: Problematizando as Atividades em Sala de Aula. In: A. M. Carvalho, Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa a Prática (1a Edição ed., p. 165). São Paulo: Cengage Learning; 2004.

Carvalho AMP, et al. Termodinâmica: Um ensino por investigação. São Paulo: USP, 1999.

Piaget J. Fazer e compreender. São Paulo: Melhoramentos/Edusp; 1978.

Carvalho, AMP. Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning; 2013.

Cézar, FM. 2016. Controle de qualidade laboratorial: uma atualização em urinálise. Curitiba: Universidade Federal do Paraná. Trabalho de Conclusão de Especialista em Análises Clínicas no Curso de Ciências Farmacêuticas.

Vigotsky LS. A formação social da mente. São Paulo: Martins fontes, 1984.

Sasseron LH, Carvalho AMP. Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e o padrão de toulmin. Ciênc. Educ. (Bauru). 2011; 17 (1): 97-114.

Suart RC, Marcondes MER. A manifestação de habilidades cognitivas em atividades experimentais investigativas no ensino médio de química. Ciência & Cognição. 2009; 14 (1): 50-74.

Zuliani SRQA. 2000. A utilização da Metodologia Investigativa na Aprendizagem de Química Experimental. Bauru: UNESP. Dissertação de Mestrado em Educação para as Ciências.

Magalhães PP. 2020. Sequências de Ensino Investigativas (SEI) e Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL): Aproximações teórico metodológicas e suas contribuições aos alunos de Medicina em fase inicial de formação. Bauru: UNESP. Dissertação de Mestrado em Educação para as Ciências.

Correia PRM, Cordeiro GB, Cicuto CAT, Junqueira PG. Nova abordagem para identificar conexões disciplinares usando mapas conceituais: em busca da interdisciplinaridade no Ensino Superior. Ciência & Educação. 2014; 20 (2): 467-479.

Moreira MA. Aprendizagem significativa: a teoria e texto complementares. São Paulo: Editora Livraria da Física; 2011.

Ausubel DP, Novak JD, Hanesian H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana; 1980.

Downloads

Publicado

02-09-2022

Como Citar

Magalhães, P. P., de Oliveira, R. C., Iano, F. G., Ferraz, I. P., & Zuliani, S. R. Q. A. (2022). Sequência de Ensino Investigativa Contextualizada com Diabetes Mellitus. Revista De Ensino De Bioquímica, 20(2), 229–244. https://doi.org/10.16923/reb.v20i2.1016

Edição

Seção

Inovações educacionais