A produção de vídeos didáticos como ferramenta para o ensino de Biologia Celular

Autores

Palavras-chave:

metodologias ativas, ensino, biologia celular, vídeos didáticos.

Resumo

A utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) e e-learning vêm ganhando cada vez mais espaço nas salas de aulas, desde a educação infantil até a educação superior. As TICs/e-learning oferecem novas oportunidades no ensino e aprendizagem dos alunos, elas promovem uma nova maneira de ensinar, oportunizando um ensino ativo, no qual o aluno pode se tornar protagonista do seu processo de conhecimento. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho de estudantes cursando a disciplina de Biologia Celular no curso de Ciências Biológicas, em elaborar vídeos didáticos retratando atividades práticas relacionadas à disciplina. Foi avaliado, também, se esta metodologia, a elaboração de vídeos, é eficaz para o aprendizado dos estudantes. O método de análise consistiu de: 1) avaliação das apresentações com um formulário tipo Likert e, 2) análise do diário de campo/relatório, por análise de conteúdo. Verificamos que a utilização de metodologias ativas, como a elaboração de vídeos didáticos, pode se tornar eficaz no processo de ensino e aprendizado dos educandos. No entanto, os alunos tiveram dificuldades na realização das atividades e se mostraram dependentes do professor/tutor. Apresentaram dúvidas, e insegurança na realização das etapas, por não estarem habituados com as metodologias ativas.

Biografia do Autor

Angela Michelotti, PPG Educação em Ciências: química da vida e saúde, Universidade Federal de Santa Maria

Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências- Química da Vida e Saúde, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil.

Marcos Trindade da Rosa, PPG Biodiversidade Animal, Universidade Federal de Santa Maria

Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Animal, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil.

Elgion Lúcio Silva Loreto, Instituição Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular, Universidade Federal de Santa Maria,RS, Brasil.

Referências

Machado SC. Análise sobre o uso das tecnologias digitais da informação e comunicação (TDICS) no processo educacional da geração Internet. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação 2016; 14(2):1-10.

Guri-Rosenblit S. Distance education in the digital age: common misconceptions and challenging Tasks Journal of Distance Education Revue de l’éducation à Distance 2009;23(2):105-122.

Carvalho KB. Implicações das TIC´s na educação. 2005. [Acesso em 5 dez 2022]. Disponível em: http://www.profala.com/arteducesp59.htm.

Cruz SC, Carvalho AA. Produção de vídeo com MovieMaker: um estudo sobre o envolvimento dos alunos do 9º ano. 2007. [Acesso em 5 dez 2021]. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/7152/1/Cruz%26Carvalho-SIIE-2007.pdf.

Falcão RF, Campomar, MC. Aprendizagem ativa: relato de experiência de produção de vídeos por alunos de marketing. R. Liceu On-line. 2018; 8(1):92-111.

Barroqueiro CH, Amaral, LH. O uso das tecnologias da informação e da comunicação no processo de ensino-aprendizagem dos alunos ativos digitais nas aulas de física e matemática do Ensino Médio Integrado do IFSP. Revista de Educação do Ideau (2012); 7(15):1-20.

Pereira MV, Barros SS. Análise da produção de vídeos por estudantes como uma estratégia alternativa de laboratório de física no

Ensino Médio. Rev. Bras. Ensino Fís. 2010; 32(4):4401-1-4401-8.

Silva JL, Silva DA, Martini C, Domingos DCA, Leal PG, Benedetti Fiho E et al. A utilização de vídeos didáticos nas aulas de química do ensino médio para abordagem histórica e contextualizada do tema vidros. Química Nova na Escola. 2012; 34(4):189-200.

Costa SRS, Duqueviz BC, Pedroza RLS. Tecnologias Digitais como instrumentos mediadores da aprendizagem dos nativos digitais. Psicol. Esc. Educ. 2015; 19 (3):603-610.

Watanabe A, Baldoria T, Amaral CLC. O vídeo como recurso didático no ensino de química. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação. 2018; 16 (1):1-9.

Oliveira, ML, et al. Genética na tv: o vídeo educativo como recurso facilitador do processo de ensinoaprendizagem. Experiências em Ensino de Ciências. 2012; 7(1):27-42.

Brasil. Portal INEP.2014. [Acesso em 8 dez 2021]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/inicio.

Rosa MD, Artuso AR. O uso do livro didático de ciências de 6º a 9º ano: um estudo com professores brasileiros. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 2019; 19:709-746.

Chi THM, Leeuw N, Chiu M, Lavancher C. Eliciting self-explanations improves understanding. Cognitive Science. 1994;18(3):439-477.

Bulgraen VC. O papel do professor e sua mediação nos processos de elaboração do conhecimento. Revista Conteúdo, Capivari. 2010;1(4):30-38.

Moran JM. Os novos espaços de atuação do professor com as tecnologias. Revista Diálogo Educacional. Revista Diálogo Educacional. 2004; 4 (12):13-21.

Downloads

Publicado

30-12-2023

Como Citar

Michelotti, A., da Rosa, M. T., & Loreto, E. L. S. (2023). A produção de vídeos didáticos como ferramenta para o ensino de Biologia Celular. Revista De Ensino De Bioquímica, 21(2), 137–150. Recuperado de https://bioquimica.org.br/index.php/REB/article/view/1011

Edição

Seção

Inovações educacionais