Bioquímica em Poesia: uma experiência de ensino de Bioquímica Médica utilizando metodologia colaborativa na graduação do curso de Medicina

Silvia Regina Tozato Prado

Resumo


A aprendizagem da Bioquímica requer alto grau de pensamento abstrato, incluindo a imaginação para entender os processos metabólicos dos seres vivos no seu nível molecular e é vista pelos estudantes com muita dificuldade. Esta atividade trata de um método de aprendizagem colaborativa, proposta de modo a conectar conteúdos científicos de Bioquímica com a Literatura. Estudantes da disciplina de Bioquímica do curso de Medicina, 1º semestre/2016, organizados em 29 grupos com 3-4 estudantes tiveram de elaborar um poema a partir de conteúdo específico de Bioquímica. A apresentação do poema se deu oralmente, por postagem virtual, assim como impresso no formato de pôster e de livro. A avaliação feita pelos estudantes apontaram que elaborar textos próprios de poesia com analogia do conteúdo teórico foi muito difícil e difícil, respectivamente, para a maioria dos grupos; 73% deles disseram que a atividade foi eficaz na aprendizagem de uma nova habilidade e 79% afirmaram ter sido positivo para aprenderem um tópico específico de Bioquímica. Os resultados obtidos sugerem que a atividade colaborativa promoveu maior aprendizagem do tema trabalhado pelo estudante, assim como maior conhecimento sobre busca e abordagem do tema. Outras habilidades desejadas no perfil do egresso como a capacidade de trabalhar em grupo e expor seu trabalho de forma escrita e oral para o público foram exercitadas, assim como o desenvolvimento do pensamento crítico e construção de argumento.


Palavras-chave


ensino de Bioquímica; aprendizagem colaborativa; poema bioquímico

Texto completo:

PDF

Referências


Gomes, K.V. G.; Rangel, M. Relevância da disciplina bioquímica em diferentes cursos de graduação da UESB, na cidade Jequié. Rev. Saúde. Com. v.2, n.1, 2006, p. 161-168. Disponível em: Acesso em 02/01/2019.

Loguércio et al., 2007 Loguercio, R., Souza, D. e Pino, J. C. D. Mapeando a educação em bioquímica no Brasil. Revista Ciências e Cognição. 2007; 10: 147-155.

Moreira, M.A., Caballero, M.C. e Rodríguez, M.L. (orgs.) (1997). Actas del Encuentro Internacional sobre el Aprendizaje Significativo. Burgos, España. pp. 19-44. Acesso em 02/01/2019. (Revista Brasileira de Física, Vol. 9, NP 1, 1979. A Teoria de Aprendizagem de David Ausubel como Sistema de Referência para a Organizaçilo de Conteúdo de Física* M. A. MOREIRA.

Marton, F., & Säljö, R. (1976) On qualitative differences in learning. II: Outcome as a function of the learner‟s conception of task. British Journal of Educational Psychology, 46, 115 – 127; in: Hartfield, P.J. 2010.

Hartfield, P.J. (2010) Reinforcing constructivist teaching in advanced level biochemistry through the introduction of case-based learning activities. QUT FaST Science Educators' Symposium: Selected papers (October 2010) 2010 Vol. 3 No.3.

Gardner, J. & Belland, B.R. (2012). A conceptual framework for organizing active learning experiences in biology instruction. Journal of Science and Educational Technology, 21, 465-475. In: Kulak & Newton 2015.

Borges e Alencar. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior Cairu em Revista. Jul/Ago 2014, Ano 03, n° 04, p. 1 19-143, ISSN 22377719.

Ausubel, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

Torres, P.L; Irala, E.A. Aprendizagem colaborativa: Teoria e Prática. Coleção Agrinho. Acesso em 02/01/2019.

Carmo, E. A. Analogias como instrumentos úteis para o ensino do conteúdo químico no nível médio. Belém: UFPA, 2006.

Figueroa, A. M. S.; Nagem, R. L.; Carvalho, E. M. Metodologia de ensino com analogias: um estudo sobre a classificação dos animais. Encontro Nacional de pesquisa em educação em ciências, 4.,2003. Bauru. Anais eletrônicos... Bauru: ENPEC, 2003 Disponível em:. Acesso em: 02/01/2019.

Nunes, R. R.; Ferraz, D. F.; Justina, L. A. D. Estudos relativos a analogias no ensino de ciências. In: Justina, L. A. D.; Ferraz, D. F. (Org.). Coleção Biologia em Foco 1: Conhecimentos Biológicos e Ensino de Ciências e Biologia. 1ª ed. Cascavel: Edunioeste, v. 1, p. 23- 36, 2009.

Martins, I.; Gouvea,G.; Piccinini,C. Aprendendo com imagens. Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, ano 57, n.4, p.38-40, 2005.

Perrelli, M. A. S. Metáforas como objeto em ensino de ciências. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1994.

Duarte, M. C. Analogias na educação em ciências: contributos e desafios. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 10, p. 7-29, 2005.

HOFFMANN, M. B., SCHEID, N. M. J. Analogias como ferramenta didática no ensino de biologia. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 9, n.1, p. 1-17, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/epec/v9n1/1983-2117-epec-9-01-00021.pdf >. Acesso em: 02/01/2019.

Pádua, I. C. A. Analogias, metáforas e a construção do conhecimento: por um processo ensino-prendizagem mais significativo. Pontíficia Universidade Católica (MG), 2010.

Gomes, L.M.J.B. & Messeder, J.C. A presença das TIC no ensino de Bioquímica: uma investigação para uma análise crítica da realidade. Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC Águas de Lindóia, SP – 10 a 14 de novembro de 2013.

Gordillo, M. M. El enfoque CTS y la educación sobre las TIC. Buenos Aires, IBERTIC, 2012. Disponível em: Acesso em 02/01/2019.

Bruner, J. 1961 p.60 The act of discovery. Harvard Educational Review, 31, 21-32. In: Hartfield, 2010.

Robitaille, N.. The revitalization of undergraduate education in Canada. A report on the AUCC workshop in undergraduate education. Halifax, Nova Scotia. Association of Universities and College of Canada, 2011. Acesso em 02/01/2019.

V. Kulak & G. Newton. An Investigation of the Pedagogical Impact of Using Case-based Learning in a Undergraduate Biochemistry Course. International Journal of Higher Education Vol. 4, No. 4; 2015.

Ward, P. J.. First year medical students' approaches to study and their outcomes in a gross anatomy course. Clinical Anatomy, 24(1), 120-127; 2011. In V. Kulak & G. Newton 2015.

Eberlein, T., Kampmeier J., Minderhout, V., Moog, R.S., Platt, T., Varma-Nelson, P., & White, H.B. (2008). Pedagogies of engagement in Science. Biochemistry and Molecular Biology Education, 36, 262-273.

Handelsman, J., Ebert-May, D., Beichner, R., Burns, P., Chang, A., DeHaan, R., Gentile, J., Lauffer, S., Stewart, J., Tilghman, S.M., & Wood, W.B. (2004). Scientific teaching. Science, 304, 521-522.

Biggs, J. & Tang, C.. Teaching for quality learning at university (3rd ed.). Berkshire, UK: Open University Press/McGraw-Hill Education; 2007. In Hartfield, 2010.

Oliveira, PS. Estrutura e função das proteínas nos livros didáticos de biologia aprovados no PNLD 2012. Dissertação de Mestrado [Biologia Geral]. Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, Universidade Federa do Rio de Janeiro.

Dorigon, Thaisa C.; Romanowski, Joana P. Revista Intersaberes, Curitiba, ano 3, n. 5, p. 8 - 22, jan/jul 2008 Disponível em: Acesso em 02/01/2019.

Monteiro, I.; Justi, R. Analogias em livros didáticos de química brasileiros destinados ao ensino médio. Investigações em ensino de Ciências. v.5, n. 2, p.1-24, 2000. Disponível em:< https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/650/441>. Acesso em: 02/01/2019.

DUIT, R. On the role of analogies ad metaphors in learning science. Science Education, v.75, n.6, p- 649 – 672, 1991.

Dewey, John. Experiência e educação. 3a ed. São Paulo: Nacional, 1979.

Dorigon, Thaisa C.; Romanowski, Joana P; apud: SCHON, D. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v17i0.853

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.