The teaching of biochemistry and microbiology through practical classes in an interdisciplinary approach

José Fernando Mourão Cavalcante, Mário Davi Martins de Lacerda, Álvaro Júlio Pereira, José Fernando Mourão Cavalcante

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar impacto do ensino e aprendizado de conceitos de bioquímica e microbiologia, por meio do atividades práticas, no ensino da Biologia. Os participantes da pesquisa foram alunos do ensino médio do IFCE-Iguatu, Ceará, Brasil. A pesquisa foi realizada conforme as exigências éticas e científicas da resolução 466/2012. A pesquisa foi fundamentada em metodologias ativas, a partir da intervenção pedagógica e, as ações foram divididas em duas etapas: a primeira consistiu na elaboração e aplicação das atividades práticas e a segunda, tratou-se da avaliação de aulas práticas e aplicação de questionário específico. As aulas práticas foram avaliadas pelos alunos por meio de um questionário com perguntas diretas usando a escala hedônica estruturada de cinco pontos. Aplicou-se técnica de Brainstorming sobre conceitos que os alunos tinham antes e depois dos experimentos. Conclui-se que ensino de bioquímica e microbiologia, por meio de aulas práticas, com uma abordagem interdisciplinar tiveram importante impacto no aprendizado dos alunos, resultando na construção de conhecimentos, motivação, facilitação da aprendizagem, e promoção da qualidade de vida dos alunos.


Palavras-chave


Ensino de biologia. Metabolismo energético; Aulas práticas; Interdisciplinaridade

Texto completo:

PDF

Referências


Da Poian AT, Braga, CACA, Ketzer, LA. Energy transformation in the living organisms. Journal Biochemistry Education, 2017; 15 (esp): 126-154.

Capeletto, A. Biologia e educação ambiental: roteiros de trabalho [S.l.]. São Paulo: Ática; 1992.

Bombonato, L.G.G. A importância do uso do laboratório nas aulas de ciências. Trabalho Conclusão Curso [Especialização em Ensino de Ciências] - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira. 2011.

Carraher, D. Educação tradicional e educação moderna. In: Carraher, TN (Org.). Aprender pensando: contribuições da psicologia cognitiva para a educação. Petrópolis, RJ: Vozes; 1986.

Moraes, R. O significado da experimentação numa abordagem construtivista: O caso do ensino de ciências. In: Borges, RMR, Moraes, R. (Org.) Educação em Ciências nas séries iniciais. Porto Alegre: Sagra Luzzato; 1998. p. 29-45. ISBN:9788524105821

Moreira, LC, Sousa, GS. O uso de atividades investigativas como estratégia metodológica no ensino de microbiologia: um relato de experiência com estudantes do ensino médio. Exper. Ensino de Ciências; 2016; 11(3): 1-17.

OCDE. Programme for international student assessment (Pisa).Country note Brazil, 2018. [acesso em 20 mai 2020]. Disponível em: https://www.oecd.org/pisa/publications/PISA2018_CN_BRA.pdf

Barbosa, EF, Moura, DG. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Bol. Tec. Senac. Rio de Janeiro. 2013; 39 (2): 48-67.

Augusto, TGS, Caldeira, AMA, Caluzi, JJ, Nardi, R. Interdisciplinaridade: concepções de professores da área ciências da natureza em formação em serviço. Ciência & Educação; 2004; 10 (2): 277-289.

Depresbiteris, L, Tavares, MR. Diversificar é preciso… instrumentos e técnicas de avaliação de aprendizagem. São Paulo: Senac; 2017.

Machado, M.S. et al. Bioquímica através da animação. Florianópolis: UFSC, 2010. [acesso em 15 julho 2019]. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1081/4358

Rodrigues, BCR, Galembeck, E. Aminoácidos e proteínas: proposta de atividade prática sob uma abordagem investigativa. Revista de Ensino de Bioquímica; 2011; 9 (1): 41-50.

Moresco,TR, Barbosa, NV, Rocha, JBT. Ensino de microbiologia e a experimentação no ensino fundamental. Revista contexto & educação; 2017; 32 (103): 165-190. Doi: https://doi.org/10.21527/2179-1309.2017.103.165-190

Madigan, MT, Martinko, JM, Dunlap, PV, Clark, DP. Microbiologia de Brock. 14 ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

Kimura, A.H. et al. Microbiologia para o ensino médio e técnico: contribuição da extensão ao ensino e aplicação da ciência. Revista Conexão UEPG; 2013; 9 (2): 254-267.

Tortora, GJ, Funke, BR, Case, C. L. Microbiologia. 10 ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

Barbosa, FHF, Barbosa, LPJL. Alternativas metodológicas em microbiologia: viabilizando atividades práticas. Revista de Biologia e Ciências da Terra 2010; 10(2): 134-143.

Mazzotti, AJA. O debate atual sobre os paradigmas de pesquisa em educação. Caderno de Pesquisa 1996; 96:15-23. [acesso em 15 set 2019]. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/810/820

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n°466, 12 dezembro 2012. Diário Oficial da União de 13 de jun 2013; Seção 1: 59.

Hamze, A. Brainstorming como exercício de criatividade. [acesso em 17 nov 2019]. Disponível em: https://educador.brasilescola.uol.com.br/trabalho-docente/brainstorming.htm

Rodrigues, FC. Lácteos especiais. Juiz de Fora: Conc. editora gráfica; 1999.

Ferreira, CLLF. Produtos lácteos fermentados: aspectos bioquímicos e tecnológicos. Cadernos didáticos n 43. Viçosa-MG:UFV; 2001.

Carvalho, AA,Vilas-Boas, A. Fotossíntese: o "alimento" da planta - história e experimentos. Portal do professor. [acesso em 15 mar 2019] Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=51700

Castagini, AS. Por que sinto câimbras? Respiração celular. Portal do professor. [acesso em 15 mar 2019] Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=4865

Minin, VPR. Análise sensorial: Estudos com consumidores. Viçosa-MG: Universidade Federal de Viçosa; 2006.

Freitas, E. Tempestade de ideias no ensino (brainstorming). Brasil escola. [acesso em 06 set 2019]. Disponível em: https://educador.brasilescola.uol.com.br/orientacoes/tempestade-ideias-no-ensino-brainstorming.htm

Ruppenthal, R, Santos, TL, Prati, TV. A utilização de mídias e TICs nas aulas de biologia: como explorá-las. Cadernos do aplicação. UFRGS [periódicos na internet]. 2011. [acesso em 15 de abril de 2019]. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/CadernosdoAplicacao/article/view/18163/23015

Antunes, CH, Pileggi, M, Pazda, AK. Por que a visão científica da microbiologia não tem o mesmo foco na percepção da Microbiologia no ensino médio? In: Anais do III Simpósio nacional de ensino de ciência e tecnologia.; 26 a 28 de setembro de 2012., Ponta Grossa-PR. [s.n.].

Lima, DB, Garcia, RN. Uma investigação sobre a importância das aulas práticas de biologia no ensino médio. Cadernos do aplicação. UFRGS [periódicos na internet]. 2011. [acesso em 17 de abril de 2019]. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/CadernosdoAplicacao/article/view/22262

Wood-Robinson, C, et al. Genética y formación científica: resultados de un projeto de investigación y sus implicaciones sobre los programas escolares y la enseñanza. Enseñanza de lãs ciências 1998; 16 (1): 43-61.

Alves, SBF, Caldeira, AMA. Biologia e ética: um estudo sobre a compreensão e atitudes de alunos do ensino médio frente ao tema genoma/dna. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências 2005; 7(1): 12-23. https://doi.org/10.1590/1983-21172005070103

Krasilchik, M. Prática de ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo - EDUSP; 2008.

Lousan, NEP. Os desafios do professor de biologia na promoção de saúde na escola pública: metodologias ativas de aprendizagem como caminho para a superação. Dissertação de mestrado [Educação nas Profissões da Saúde] -Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Sorocaba. 2015.

Carvalho, AMP (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning; 2004.

Libâneo, JC. Educação & realidade. [periódicos na internet]. 2015. [acesso em 18 mai 2019]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2175-623646132

Cunha, MB. Jogos no ensino de química: considerações teóricas para sua utilização em sala de aula. Química Nova na Escola 2012; 34(2): 92-98.

Morin, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 4. ed. São Paulo: Cortez; 2002.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v18i1.922

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.