Produção de vídeos no Ensino de Bioquímica e Química Orgânica

Vagner Fortes Rosado, Carla Ott Felcher, Andréia Fernandes Salgueiro, Vanderlei Folmer

Resumo


As Tecnologias Digitais estão cada vez mais presentes no ambiente escolar. Utilizar essas tecnologias como aliadas no processo de ensino-aprendizagem pode ser uma estratégia para aumentar o interesse e a adesão dos estudantes para o estudo da química. A presente proposta pedagógica tem como objetivo apresentar a produção de vídeos como uma ferramenta para o ensino de Química Orgânica e Bioquímica na escola. Participaram da atividade trinta e dois estudantes do terceiro ano do ensino médio de uma escola pública. A proposta consistiu na leitura do livro "Os Botões de Napoleão: As 17 Moléculas que Mudaram a História". Após a leitura do livro, os estudantes foram divididos em grupos e os capítulos foram distribuídos para confecção de roteiros e produção de vídeos, ambos os processos mediados pelo docente. Os vídeos produzidos foram então socializados na página da turma no Facebook. Do total de vídeos criados, produções que abordaram corantes, nicotina, morfina, cafeína e compostos cloro carbônicos foram selecionadas para discussão em sala de aula. Estes vídeos foram escolhidos por tratarem de moléculas de interesse dos estudantes e ter relação direta com o conteúdo que estava sendo trabalhado no momento. A atividade relatada foi avaliada pelos estudantes como positiva e inovadora. Além disso, a produção de vídeos pode ser uma importante ferramenta com potencial para ser utilizada em outros contextos no ensino de Química Orgânica e Bioquímica.


Palavras-chave


Vídeos; Funções orgânicas; Ensino de Química e Bioquímica

Texto completo:

PDF

Referências


Ferreira AO, Lima CA, Hornink GG. O ensino-aprendizagem online de Bioquímica e as ferramentas de mediação: um estudo de caso. Revista de Ensino de Bioquímica. 2014;12(1):5-23.

Cunha ES. As sensações e os sentidos no ensino-aprendizagem da química orgânica. Roraima. Refinsfaema. 2017. Disponível em http://repositorio.faema.edu.br:8000/jspui/handle/123456789/1299. Acesso em 30 de abril de 2018.

Felcher CDO, Pinto ACM, Ferreira ALA, Corrêa AR. Produzindo vídeos, construindo conhecimento: uma investigação com Acadêmicos da Matemática da Universidade Aberta do Brasil. Revista Educacional Interdisciplinar. 2017; 6(1): 1- 14.

Serafim F. A Relação Família e Escola: A realidade da Escola Municipal Maria de Lourdes de Lima. Universidade Estadual da Paraíba, Trabalho de Conclusão de Curso, Catolé da Rocha – PB 2014. Disponível em http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/5112. Acesso em 30 abril. 2018.

Wartha EJ, Silva EL, Bejarano NRR. Cotidiano e Contextualização no Ensino de Química. Revista Química Nova na Escola. 2013; 35(2): 84-91.

Felcher CDO, Pinto ACM, Ferreira ALA. O uso do Facebook como ambiente virtual de aprendizagem para o ensino de números racionais. Revista Paranaense de Educação Matemática. 2017; 6(10).

Raupp D, Eichler ML. A rede social Facebook e suas aplicações no ensino de química. Novas Tecnologias em Educação. 2012; 10(1).

Chassot AI. Catalisando transformações na educação. Ijuí: Ed. Unijuí 1993. 178p.

Damiani MF, Rochefort RS, Castro RF, Dariz MR, Pinheiro SNS. Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de Educação (UFPEL).2013; 45: 57-67.

Freire P. Pedagogia da autonomia: Saberes Necessários à prática educativa. 25ª Edição. Editora Paz e Terra,1996.

Schimidt DB, Heggendornn LH, Pereira HS, Vieira V, Alves FA. Mapas Conceituais no Ensino de Bioquímica, uma Integração entre os Conceitos Científicos. Revista de Ensino de Bioquímica. 2014;12(2): 01-18.

Silveira MP, Zanetic J. Formação de Professores e Ensino de Química: Reflexões a partir do Livro Serões de Dona Benta de Monteiro Lobato e da Pedagogia de Paulo Freire. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia. 2016; 9(2): 61-85.

Pereira G, Folmer V, Miralha CTT, Escoto DF. Percepções sobre o Ensino de Bioquímica nos anos inicias do Ensino Fundamental. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão. Rio Grande do Sul - RS. 2013; 5(2).

Folmer V, Barbosa NBV, Soares FAA, Rocha JBT. Experimental activities based on ill-structured problems improve brazilian school students understanding of the nature of scientific knowledge. Revista Eletrónica de Enseñanza de las Ciências. 2009; 8(1): 232-254.

Freire P. Educação como prática da liberdade. 19 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

Assunção TV, Nascimento RR. O inventário de estilos de aprendizagem de David Kolb e os professores de ciências e matemática: diálogo sobre o método de ensino. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciências. 2019; 14(1): 14-34.

Puello SC, Hernández LF, Jaraba KS, Santana NR. Los estilos de aprendizaje y su utilidad en la educación Superior. Revista Adelante Head. 2017; 8.

Salgueiro ACF, Goulart AS, Viçosa DL, Viçosa CSCL, Folmer V. Resolução de problemas no ensino de Ciências: utilização de Artemia salina como modelo experimental para o estudo de plantas medicinais na escola básica. Revista de Ensino de Bioquímica. 2018; 16: 31-47.

Silveira TJ, Rocha JBT. Produção científica sobre estratégias didáticas utilizadas no ensino de Bioquímica: uma revisão sistemática. Revista de Ensino de Bioquímica. 2016; 14(1): 07-21.

Guo P, Kim J, Rubin R. “How video production affects student engagement: An empirical study of MOOC videos”. In: Proceedings of the first ACM conference on Learning@ scale conference. 2014; 41-50.

Pereira MV, Filho LACR. Investigando a produção de vídeos por estudantes de ensino médio no contexto do laboratório de física. Revista Tecnologias na Educação. 2013; 5(8).

Alcântara NR, Moraes Filho AV. Elaboração e utilização de um aplicativo como ferramenta no ensino de Bioquímica: carboidratos, lipídios, proteínas e ácidos nucleicos. Revista de Ensino de Bioquímica. 2015; 13(3): 54-72.

Dávila ES, Folmer V, Puntel RL. Concepções de professoras de Ciências sobre o ensino de Ciências. Revista Exitus. 2017; 7(2): 237-261.

Ferrés J. Vídeo e educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

Hepp P, Fernández MÀP, García JH. Teacher training technology helping to develop an innovative and reflective professional profile. International Journal of Educational Technology in Higher Education. 2015; 12(2): 30-43.

Dorigoni, GML, Silva JC. Mídia e Educação: o uso das novas tecnologias no espaço escolar. 2013; disponível em http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1170-2.pdf.

Le Couteur P, Burreson J. Os Botões de Napoleão - As 17 Moléculas que Mudaram a História. Rio de Janeiro: Editora Saraiva, 2006.

Mortimer EF. Pressupostos Epistemológicos para uma Metodologia de Ensino de Química: Mudanças Conceituais e o Perfil Epistemológico. Química Nova. 1992; 15(3): 242-249.

Nogueira F, Gonçalves C. Divulgação científica: produção de vídeo como estratégia pedagógica para a aprendizagem de ciências. Revista Areté / Revista Amazônica de Ensino de Ciências. 2014; 7(14): 93-107.

Sanchez RA, Cortijo V, Javed U. Students perceptions of Facebook for academic purposes. Computers & Education. 2014; 70(1): 138-149.

Buckingham D. Defining digital literacy: What do young people need to know about digital media? Nordic Journal of Digital Literacy. 2015; (4):21-34.

Fumian AM, Rodrigues DCGA. O Facebook enquanto plataforma de ensino. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia. 2013; 6(2).

Silva HJG, Rodrigues JJV, Silva VMG. Produção de vídeos educativos com o aparelho de telefone celular: uma proposta para promover a aprendizagem significativa no ensino de ciências no ensino fundamental. Revista Tecnologias na Educação. 2017; 23(1): 01-12.

Vasconcelos FCGC, Melo SKS, Arroio A, Leão MBC. O uso vídeos no ensino de química: análise da temática nas publicações da química nova na escola. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas. 2013; v. extra, p. 3624-3630.

Oliveira PS, Oliveira FS, Lacerda CD, Coelho AA, Bianconi ML. Vídeos educacionais de curta duração para o ensino de Bioquímica. Revista de Ensino de Bioquímica. 2017; 15 esp:212-221.

Morán JM. O vídeo na sala de aula. Comunicação e Educação. 1995; 2: 27-35.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v18i1.872

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.