A temática HIV/AIDS e os medicamentos antirretrovirais no Ensino Médio: o entretecer da educação sexual e o ensino de química

Nilton Máximo Junior, Renata Orlandi, Patrícia Bulegon Brondani, Aldo Sena Oliveira

Resumo


Há um expressivo aumento de infecções pelo vírus HIV na juventude, portanto abordar a temática HIV/AIDS é essencial no contexto educacional brasileiro. O objetivo deste trabalho foi promover reflexões acerca da temática HIV/AIDS por meio de uma sequência didática voltada à educação sexual no contexto do ensino de química. O projeto foi desenvolvido com 22 estudantes do terceiro ano do Ensino Médio, no período noturno. Dividiu-se a sequência didática em três etapas: (i) a descrição escrita de uma pessoa soropositiva e a exibição do documentário “Positivas”; (ii) uma aula com uma atividade experimental sobre o ciclo viral e; (iii) uma aula sobre os medicamentos antirretrovirais. Como resultado, possibilitou aos estudantes um espaço para reflexões e discussões ao estigma atrelado à soropositividade, questões sobre a sexualidade e a identificação da importância do conhecimento de química para a produção dos medicamentos antirretrovirais.


Palavras-chave


HIV/AIDS; Educação sexual; Ensino de química

Texto completo:

PDF

Referências


Mortimer EF, Mol G, Duarte LP. Regra do octeto e teoria da ligação química no ensino médio: dogma ou ciência? Qui Nov, 1994; 17 (2):243-52

Ministério da Educação. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2002 [acesso em 29 out 2018]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquios/pdf/CienciasNatureza.pdf.

WHO. World Health Statistics 2014. WHO, 2014 [acesso em: 02 nov 2018]. Disponível em: https://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics/2014/en/.

Amoras BC, Campos AR, Boserra EP. Reflexões sobre vulnerabilidade dos adolescentes a infecções sexualmente transmissíveis; Rev Ele de Hum do Cur de Ciê Soc da UNIFAP, jun 2015; 8 (1): 163-71 [acesso em 02 nov 2018]. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/view/1668/camposv8n1.pdf.

Cunico W, Gomes CRB, Vellasco WTJ. HIV – recentes avanços na pesquisa de fármacos. Quim Nova, 2008; 31: 2111-2117.

Hauser S, Kasper D, Fauci A, Longo D, Jameson J, Loscalzo J. Harrison's Manual of Medicine, 18th Edition. 18th ed. McGraw-Hill; 2013.

Scheffer, MC. Aids, tecnologia e acesso sustentável a fármacos: a incorporação dos anti-retrovirais no Sistema Único de Saúde [tese]. São Paulo: , Faculdade de Medicina; 2008 [citado 2018-10-26]. doi:10.11606/T.5.2008.tde-08072008-133201.

Brasil, Lei nº. 9314, 13 novembro de 1996. Dispõe sobre a distribuição gratuita de fármacos aos portadores do HIV e doentes de AIDS. Diário Oficial da União de 14 de nov 1996; Seção 1: 23725.

Lago RF, Costa NR. Dilemas da política de distribuição de fármacos antirretrovirais no Brasil. Ciên Sau Col 2010; 15 (3): 3529-40 [acesso em 7 out 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15s3/v15s3a28.pdf.

Chen LF, Hoy J, Lewin SR. Ten years of highly active antiretroviral therapy for HIV infection. Med J Aust 2007 feb; 186 (3):146-151.

Seidl EMF, Ribeiro TRA, Galinkin AL. Opiniões de jovens universitários sobre pessoas com HIV/AIDS: um estudo exploratório sobre preconceito. Psico USF 2010; 15(1):103-112.

Almeida MRCB de, Labronici LM. A trajetória silenciosa de pessoas portadoras do HIV contada pela história oral. Cien Saude Colet [periódico na Internet]. 2007 Mar [Acesso em 24 out 2018]; 12(1): 263-274. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v12n1/26.pdf.

Garcia S, Koyama MAH. Estigma, discriminação e HIV/Aids no contexto brasileiro, 1998 e 2005. Rev Saúde Pública 2008; 42(1): 72-83.

Unaids. Data 2018. Geneva: UNAIDS; 2018 [acesso em 6 de out 2018]. Disponível em: http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/unaids-data-2018_en.pdf.

Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico HIV/Aids 2017. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [acesso em 6 de out 2018]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2017/boletim-epidemiologico-hivaids-2017.

Val LF, Silva JAS, Rincon LA, Lima RHA, Barbosa RL, Nichiata LYI. Estudantes do ensino médio e o conhecimento em HIV/AIDS: que mudou em dez anos? Rev Esc Enferm USP. 2013;47(3):702-708.

Silva AT, Jacob MHVM, Hirdes A. Conhecimento de adolescentes do ensino médio sobre DST/ AIDS no sul do Brasil. Aletheia abr 2015; 46: 34-49.

Bomfim SS. Orientação sexual na escola: tabus e preconceitos, um desafio para a gestão. Salvador. Monografia [Graduação em Pedagogia] – Universidade do Estado da Bahia; 2009.

Gonçalves RC, Faleiro JH, Malafaia G. Educação sexual no contexto familiar e escolar: impasses e desafios; Hol 2013; 5 (29): 251-263.

Martins CBG, Almeida FB, Alencastro LC, Matos KF, Souza SPS. Sexualidade na adolescência: mitos e tabus. Ci y Enf 2012; 13 (3): 25-37.

Oliveira FJC, Diaz M. Relações de gênero. In: Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais & Fundação Odebrecht, organizadores. Afetividade e sexualidade na educação: um novo olhar. Belo Horizonte (MG): SEE-MG / Fundação Odebrecht; 1998.

Fagundes TCPC. Sexualidade, Gênero e Poder – educação numa perspectiva emancipatória. Esp. Acad. 2014 Mar; 13(154): 1-17.

Louro GL. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pró pos 2008 ago; 19 (2): 17-23 [acesso em 8 out 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v19n2/a03v19n2.pdf.

Louro GL. O corpo educado: Pedagogia da sexualidade [internet]. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica; 2000 - 127 . [Acesso em: 7 out. 2018]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/1230/Guacira-Lopes-Louro-O-Corpo-Educado-pdf-rev.pdf.

Figueiró, MND. Revendo a história da educação sexual no Brasil: ponto de partida para construção de um novo rumo. Nua 1998 set; 4 (4): 123-133.

Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília: Ministério da Educação, 1997 [acesso em 9 out 2018]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/orientacao.pdf.

Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Educação, 1997 [acesso em 29 out 2018]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf.

Weller HN, Nirschl DS, Paulson JL, Hoffman SL, Bullock WH. Addressing the Medicinal Chemistry Bottleneck: A Lean Approach to Centralized Purification. ACS Comb Sci 2012; 14(9): 520-26 [Acesso em 03 nov 2018]. Disponível em: https://pubs.acs.org/doi/abs/10.1021/co300075g.

Stumpfe D, Bajorath J. Exploring Activity Cliffs in Medicinal Chemistry: Miniperspective. J Med Chem 2012; 55 (7): 2932-42 [Acesso em 03 nov 2018]. Disponível em: https://pubs.acs.org/doi/10.1021/jm201706b.

Leeson P. Drugs Discovery: Chemical beauty contest. Nat Jan 2012; 481 (7382): 455-6 [Acesso em 03 nov 2018]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22281594.

Lombardino JG, Lowe JA 3rd. The role of the medicinal chemist in drug discovery-then and now. Nat Rev Drug Dis; Oct 2012; 3 (10): 853-62 [Acesso em 03 nov 2018]. Disponível em: https://www.nature.com/articles/nrd1523.

Nelson DL, Cox MM. Princípios de Bioquímica de Lehninger. 6 ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Godoy AS. Introdução à Pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Rev de Adm de Emp abr 1995; 35 (2): 57-63.

Positivas [filme]. Direção: Susanna Lira. Produtora executiva: Luciana Freiras. Rio de Janeiro: Modo Operantes Produções, 2010.

Empresa Brasil de Comunicação. TV Brasil: Cine Nacional [acesso em 10 out 2018]. Disponível em: http://tvbrasil.ebc.com.br/cinenacional/episodio/positivas.

Campbell MK, Farrell SO. Bioquímica: tradução da 8ª edição norte-americana. São Paulo: Cengage Learning, 2015.

Franco MLPB. Análise de conteúdo. 2. ed. Brasília: Liber Livro Editora; 2005. 79 p.

Departamento de Vigilância, Prevenção e controle de IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais - Ministério da Saúde. Campanha do Dia Mundial de Luta contra a Aids: Viver com aids é possível. Com o preconceito não - 2009 [acesso em 02 nov 2018] . Disponível em: http://www.fiocruz.br/bibsmc/media/comoreferenciarecitarsegundooEstiloVancouver_2008.pdf.

Antunes L, Camargo BV, Bousfield ABS. Representações sociais e estereótipos sobre aids e pessoas que vivem com HIV/Aids. Psicol Teor Prát [Internet]. 2014 [acesso em 14 out 2018];16(3):43-57. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v16n3/04.pdf.

Santiago JFA, Araújo MFF. Concepções de alunos do ensino médio sobre vírus e bactéria reveladas por desenhos. In: 3 Congresso Nacional de Educação; 2016 out 5-7; Natal (RN), Brasil [Acesso em 04 nov 2018]. Disponível em:http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV056_MD1_SA18_ID13672_19082016205832.pdf.

Moul RATM, Silva FCL. O ensino de síntese protéica sob uma perspectiva inovadora. In: 10 Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências; 2015 nov 24-27; Águas de Lindóia (SP), Brasil [Acesso em 04 nov 2018]. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R1638-1.PDF.

Souza JPP, Araújo CP, Zuza HOBB, Costa IAS. Uso de jogos e modelos didáticos em biologia: uma proposta para consolidar conteúdos sobre microorganismos. In: 3 Congresso Internacional de Educação do Brasil; 2013 jul 29-31; Porto Seguro (BA), Brasil [Acesso em 22 out 2018]. Disponível em: http://arquivos.info.ufrn.br/arquivos/201322623889ec15412363e0c83759d2f/USO_DE_JOGOS_E_MODELOS_DIDATICOS_EM_BIOLOGIA-_UMA_PROPOSTA_PARA_CONSOLIDAR_CONTE.pdf.

Rossignollo T, Maciel E, Friedrich SP, Ferrera TS. Uso de metodologia ativa no ensino médio - estudando vírus. In: 4 Congresso Internacional de Educação Científica e Tecnológica; 2017 out 9-11; Santo Ângelo (RS), Brasil [Acesso em 22 out 2018]. Disponível em: http://www.santoangelo.uri.br/anais/ciecitec/2017/resumos/poster/trabalho_2655.pdf.

Oliveira ACS, Braga BLP, Nascimento MMB, Cavalcante CC, Sobreira ACM. Modelo Didáticos como recurso para o ensino de biologia: uma experiência didático-pedagógica com alunos do ensino médio de uma escola pública de Iguatu/CE. In: 12 Congresso Nacional de Educação; 2015 out 26-29; Curitiba (PR), Brasil [Acesso em 22 out de 2014]. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/17802_10070.pdf.

Cano MAT, Ferriani MGC, Gomes R. Sexualidade na adolescência: um estudo bibliográfico. Rev Lat Ame Enf, abr 2001; 8 (2): 18-24 [Acesso em 5 nov 2018]. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/rlae/v8n2/12413.

Oliveira NS, Moura ERF, Guedes TG, Almeida PC. Conhecimento e Promoção do Uso do Preservativo Feminino por Profissionais de Unidades de Referência para DST/HIV de Fortaleza-CE: o preservativo feminino precisa sair da vitrine. Saú Soc, 2008; 17 (1): 107-16 [Acesso em 5 nov 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902008000100010&script=sci_abstract&tlng=pt.

Campos HM, Schall VT, Nogueira MJ. Saúde sexual e reprodutiva de adolescentes: interlocuções com a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE). Saúde Debate 2013;37(97):200-7 [Acesso em 5 nov 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-11042013000200015&script=sci_abstract&tlng=pt.

Barbosa MD, Costa GM. Ácidos nucléicos: como entender isso? Gen na Esc, 2011; 6 (2): 6-1 [Acesso em 05 nov 2018]. Disponível em: http://docs.wixstatic.com/ugd/b703be_6d7a0c4d6737499b8adc201c525cbb83.pdf.

Marcondes MER. Proposições metodológicas para o ensino de química: oficinas temáticas para a aprendizagem da ciência e o desenvolvimento da cidadania. Em Ext 2008; 7 (1): 67-77.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v17i2.842

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.