Mês do cérebro: uma ação visando a popularização da neurociência com alunos de ensino médio, em uma escola do DF, Brasil

Karina Mendes de Carvalho, João Paulo Cunha Menezes

Resumo


A popularização da ciência ou divulgação científica é um processo que visa à comunicação de informações científicas ao público geral, por meio de diversas estratégias, e se trata de uma importante ferramenta a ser utilizada no contexto educacional, já que muitos conhecimentos científicos não são incorporados aos materiais didáticos escolares ou, quando são, isso demora um tempo elevado. Uma dessas temáticas que se encontra pouco presente é a Neurociência, que desperta grande interesse do público e das mídias, estando diretamente relacionada ao cotidiano dos cidadãos. Essa associação entre Neurociência e Educação vem chamando a atenção devido aos benefícios que pode trazer aos estudantes e educadores e até mesmo aos pais ou responsáveis. Portanto, a presente pesquisa realizou uma intervenção junto a alunos de ensino médio, envolvendo diversos temas inseridos nas neurociências, com o objetivo de analisar o potencial das atividades realizadas e popularizar a área. As diferentes etapas foram realizadas buscando utilizar diferentes metodologias. A maioria dos estudantes considerou que aprendeu muitas coisas novas, importantes e úteis ao seu dia-a-dia; que o interesse pela ciência aumentou; que pretendem passar adiante os conhecimentos adquiridos. Neuromitos foram esclarecidos aos estudantes durante as atividades e, no geral, o resultado de todas as etapas foi positivo. Sendo assim, a intervenção se apresentou como uma forma efetiva de popularizar a temática, aproximou os estudantes do contexto científico e impactou de forma positiva os participantes. 


Palavras-chave


Divulgação Científica; Popularização da Ciência; Neurociência

Texto completo:

PDF

Referências


Mueller SPM. Popularização do conhecimento científico. 2002.

da Silva Vargas, L, Menezes J, Alves N, Sosa P, Mello-Carpes PB. Conhecendo o sistema nervoso: ações de divulgação e popularização da neurociência junto a estudantes da rede pública de educação básica. Ciências & Cognição. 2014;19(2).

Germano MG, Kulesza WA. Popularização da ciência: uma revisão conceitual. Caderno Brasileiro de ensino de Física. 2007;24(1),7-25.

Ferrero M, Garaizar P, Vadillo MA. Neuromyths in education: prevalence among Spanish teachers and an exploration of cross-cultural variation. Frontiers in human neuroscience. 2016;10,496.

Bueno WDC. Jornalismo científico no Brasil: os compromissos de uma prática dependente [doctorate]. Universidade de São Paulo; 1984.

Trópia G. Reflexões sobre o discurso na divulgação neurocientíficos. Ciência & Ensino. 2008;2(2).

Lent R. Neurociência da mente e do comportamento. Grupo Gen-Guanabara Koogan; 2000.

Ramani D. The brain seduction: the public perception of neuroscience. Jcom. 2009;8,4.

Weisberg DS, Keil FC, Goodstein J. Rawson E, Grayc JR. The seductive allure of neuroscience explanations. Journal of cognitive neuroscience. 2008;20(3):470-477.

Oliveira, GG. Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Educação Unisinos. 2013:18(1):13-24.

Carew TJ, Magsamen SH. Neuroscience and education: An ideal partnership for producing evidence-based solutions to guide 21st century learning. Neuron. 2010;67(5):685-688.

Cohen C, Ferraz FC, Segre M. Saúde mental, crime e justiça (Vol. 3). Edusp.; 1996.

Herculano-Houzel S. Do you know your brain? A survey on public neuroscience literacy at the closing of the decade of the brain. The Neuroscientist. 2002;8(2):98-110.

Dekker S, Lee NC, Howard-Jones P, Jolles J. Neuromyths in education: Prevalence and predictors of misconceptions among teachers. Frontiers in psychology; 2012;3,429.

Baldo MVC, Haddad H. Ilusões: o olho mágico da percepção Illusions: a window into perception. Rev Bras Psiquiatr. 2013; 25(Supl II),6-11.

Sousa, ABD, Salgado TDM. Memória, aprendizagem, emoções e inteligência. Revista Liberato: educação, ciência e tecnologia. Novo Hamburgo. 2015;16(26):141-151.

Lopes WS, Faustino MA, Leal AB, Inocente NJ. Sono um fenômeno fisiológico. IX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e V Encontro Latino Americano de Pós-graduação, 2006;3-6.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: edições, 70, 225.

Lima AA, de Macedo JQ, Gomes M. Ciência e Arte na Feira: um relato da experiência com ilusões de Óptica.

Gleichgerrcht E, Lira Luttges B, Salvarezza F, Campos AL. Educational neuromyths among teachers in Latin America. Mind, Brain, and Education. 2015;9(3),170-178.

Ferrero M, Garaizar P, Vadillo MA. Neuromyths in education: prevalence among Spanish teachers and an exploration of cross-cultural variation. Frontiers in human neuroscience. 2016;10,496.

Santos WLP. Contextualização no ensino de ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino. 2008;1.

Nascimento GCM. Abordando o sono no ensino médio: proposta de unidade didática contextualizada com o tema saúde (Master's thesis, Universidade Federal do Rio Grande do Norte); 2014.

Linnenbrink-Garcia L, Pekrun R. Students’ emotions and academic engagement: Introduction to the special issue. Contemporary Educational Psychology. 2011;36(1):1-3.

Lima KR, Carpes PBM, de Vargas, LDS, Garcia A, Filipin G. Neuroplasticidade: trabalhando conceitos de neurociência na escola. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2017;8(3).

Governo, DDF. (2013). Currículo em Movimento da Educação Básica Ensino Médio. SEEDF: Brasília, 2013.

Fourez G. Crise no ensino de ciências?. Investigações em ensino de ciências. 2016;8(2):109-123.

Candeias JMG, Hiroki KAN, Campos LML. A utilização do jogo didático no ensino de microbiologia no ensino fundamental e médio. São Paulo. 2007.

Rhoden C. Tarja branca: a revolução que faltava [Documentário-vídeo]. Produção Maria Farinha Filmes: Brasil, 2014.

Martins A, Mello-Carpes PB. Ações para divulgação da Neurociência: um relato de experiências vivenciadas no sul do Brasil. Revista de Ensino de Bioquímica. 2014;12(2):108-117.

Foy JG, Feldman M, Lin E, Mahoney M, Sjoblom C. Neuroscience Workshops for fifth-grade school children by undergraduate students: a university–school partnership. CBE—Life Sciences Education. 2006;5(2):128-136.

Possik AP, Cantisani Shumiski L, Corrêa EM, de Assis Maia R, Medaglia A. Prata de Souza Mourão L, Sobreira M. Você já comeu DNA hoje? Divulgação científica durante a Semana da Ciência e Tecnologia no Brasil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos. 2013;20.

Filipin G, Nunes TT, dos Santos Martins A, Sosa PM, Mello-Carpes PB. Neuroblitz: uma proposta de divulgação da neurociência na escola. Revista Ciência em Extensão. 2014;10(3):69-76.

Filipin G, Perroni BM, dos Santos Martins A, Mello-Carpes PB. Despertando a curiosidade de escolares sobre o cérebro por meio de visitas semanais de estudantes de neurociência à escola. Revista de Ensino de Bioquímica. 2015;13(3):100-112.

Gutierrez MEZ, Carpes PBM, de Vargas LDS. Teatro científico como recurso de divulgação da neurociência. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2017;8(3).




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v17i1.832

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.