Ferramentas de bioinformática aplicadas ao ensino da biotecnologia

Yandra Alzira Pereira do Nascimento, Luis Flávio Mendes Saraiva

Resumo


O ensino de biotecnologia é complexo e dependente de conhecimentos bioquímicos, pois o conteúdo necessita ser adequadamente ajustado para sua execução semestral. Diante da problemática, o presente artigo apresenta uma forma diferenciada de abordar a disciplina de biotecnologia com base na elaboração de aulas práticas, mediante o uso de ferramentas de bioinformática. Um total de 45 alunos colaboradores de um curso de Ciências Biológicas, foram divididos em dois grupos para análise. Os resultados obtidos a partir da aplicação de questionários avaliativos demonstraram ser positivos e relevantes. Diante disso, concluiu-se que a utilização de novas metodologias no ensino atrai a atenção do aluno, estimulam a curiosidade e fazem com que os mesmos deixem de ver a sala de aula como o único lugar de aprendizagem.


Palavras-chave


Biotecnologia; Bioinformática; Ensino

Texto completo:

PDF

Referências


RAMALHO, Y. M. M et al. Biotecnologia: cenário internacional e perspectivas para o Brasil. Rio de Janeiro:BNDES/DEEST/AP, 1990. 204 p.

JUDICE, V. M. M.; BAÊTA, A. M. C.. Modelo empresarial, gestão de inovação e investimentos de venture capital em empresas de biotecnologia no Brasil. Revista de Administração Contemporânea 2005; 9(1): 171-191

ERRO, E.S. Biotecnologia translacional: hemopressina e outros peptídeos intracelulares. Dossiê Biotecnologia, [s.l.], v. 24, n. 70, p.109-121, 2010. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0103-40142010000300008

.Karl E. Biotecnología Vistazul. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

VILLEN, R. A.. Biotecnologia - Histórico e Tendências. 2019. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019

ARIAS, G.. Em 1953 foi descoberta a estrutura do DNA: Etapas de um grande avanço científico. Documentos online 2004; (44)10: 1-38. Acesso em: 22 nov. 2017. Disponível em: http://www.cnpt.embrapa.br/biblio/do/p_do44.pdf

ANNUCHI, A. I. História e filosofia da Ciência: da teoria para a sala de aula. Dissertação de Mestrado. USP. 131p. 1996.

SILVEIRA, E. A.. Tecnologias e as mudanças de paradigma do ensino aprendizagem. 2015. 44 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Mídias na Educação) - Curso de Especialização em Mídias na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2015.

SANTOS, J. B. et al. A utilização de recurso didático para o ensino da bioquímica. 2014 Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

GALAGOVSKY, L. R. et al. Representaciones Mentales, Lenguajes y Códigos em la Enseñanza de Ciencias Naturales. Un Ejemplo para el Aprendizaje del Concepto de Reacción Química a Partir del Concepto de Mezcla. Enseñanza de Las Ciencias, Barcelona, n. 21, p. 107-121, 2003

PEIXOTO, A. G. O uso de metodologias ativas como ferramenta de potencialização da aprendizagem de diagramas de caso de uso. Outras Palavras 2016; (12)2: 35-50.

EICHLER, M.; DEL PINO, J.C. Computadores em Educação Química. Química Nova 2000; (23)6: 835-840.

KLEIN, T. A. S., LABURÚ, C. E. Multimodos De Representação E Teoria Da Aprendizagem Significativa : Possíveis Interconexões Conceitos : Implicações Para a Investigação Em Ensino De Ciências. Revista Ensaio, v. 14, n. 02, p. 137–152, 30 jul. 2012.

AUSUBEL, S. P. et. al. Educational psychology: a cognitive view. 2.ed. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1978.

PELIZZARI, A. et al. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Rev. PEC 2002;.(2)1:37-42.

ARAÚJO, M. F. F. Ações para uma aprendizagem significativa no ensino superior de Microbiologia. Revista da Seenbio 2010; (3)0: 76-88.

MOREIRA, M. A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. 2.ed. Brasília: Editora da UnB, 2006.

CID, M.; NETO, A. J. dificuldades de aprendizagem e conhecimento pedagógico do conteúdo: o caso da genética. Enseñanza de Las Ciencias 2005; (4)3: 1-5, jan.

AINSWORTH, S. E. The functions of multiple representations. Computers & Education, n. 33, p. 131-152, 1999.)

GIORDAN, A.; VECCHI, G. de. As origens do saber: das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. 2.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

MORAN, J. M. et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6.ed. Campinas: Papirus, 2000.

MOREIRA, A. E. C. Relações entre as estratégias de ensino do professor, com as estratégias de aprendizagem e a motivação para aprender de alunos do ensino fundamental 1. Dissertação de mestrado - Universidade Estadual de Londrina, 2014.

STIPEK, D. J. Motivation to learn: from theory to practice. 3.ed. Englewood Cliffs, Needham Heights, 1998.

FERNANDES, I. R.; TAVARES, M. J. A tecnologia como instrumento motivacional no processo da aprendizagem em sala de aula. ENLETRARTE, n. 6, 2015.

OLIVEIRA, B. I. N. de. Tecnologias aplicadas ao ensino de biologia: o uso dos tablets em escolas estaduais do município de Patos – PB. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) - Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, 2015.

POZO, J. I. A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento. Barretos, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2017.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v17i1.819

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.