Resolução de problemas no ensino de Ciências: utilização de Artêmia salina como modelo experimental para o estudo de plantas medicinais na escola básica

Andreia Caroline Fernandes Salgueiro, Aline Silva Goulart, Débora Lopes Viçosa, Cátia Silene Carrazoni Lopes Viçosa, Vanderlei Folmer

Resumo


O ensino tradicional tem recebido críticas por não preparar os estudantes para o enfrentamento de situações-problema. A metodologia de Resolução de Problemas (MRP) baseia-se em uma abordagem orientada para a investigação. Apresentamos aqui uma proposta de trabalho com a MRP aplicada ao estudo de plantas medicinais com o modelo experimental Artêmia salina. Participaram 25 estudantes do 6º e 7º anos do ensino fundamental de uma escola de baixo IDEB. A atividade foi realizada no laboratório de ciências da escola por um período de cinco dias. Os resultados indicaram que a utilização do modelo experimental aliado à MRP mostrou-se efetivo em aumentar o interesse e participação dos estudantes pela atividade. Da mesma forma, a utilização do laboratório em contrapartida à sala de aula facilitou o processo de “fazer-se cientista”. Os estudantes, ao final da atividade, demonstraram aprendizado significativo dos temas abordados, com uma perspectiva mais ampla acerca do que é Ciência e de fazer Ciência.

Palavras-chave


Educação em Ciências; Estratégias de Ensino; Experimentação

Texto completo:

PDF

Referências


Mezzari, A. O uso da Aprendizagem Baseada em Problemas (ABP) como reforço ao ensino presencial utilizando o ambiente de aprendizagem Moodle. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro. v. 35, n. 1, 2011.

Fernandes RCA, Neto JM. Modelos educacionais em 30 pesquisas sobre práticas Pedagógicas no ensino de ciências nos anos iniciais da escolarização. Investigações em Ensino de Ciências – V17(3), pp. 641-662, 2012.

Taha MS, Lopes CSC, Soares EL, Folmer V. Experimentação como Ferramenta Pedagógica para o Ensino de Ciências. Experiências em Ensino de Ciências. 2016;(1): 138-152.

Mitre SM, Siqueira-Batista R, Mendonça JMG, Pinto NMM, Meirelles AB, Porto CP, et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva. 2008;13(Sup 2):2133-2144.

Marmitt DJ, Faleiro D, Kich DM, Leipelt J, Flores NO, Baldasso T, et al. Oficinas de Biotecnologia para o Ensino Médio: Antioxidantes, a Fonte da Juventude? Revista de Ensino de Bioquímica. 2016;4(3):47-55.

Lima AS, Azzolin KAS, Moresco TR, Rocha JBT, Barbosa NV. Atividades experimentais nos anos iniciais do ensino fundamental: ferramenta metodológica para a construção do processo de ensino-aprendizagem. Revista de Ensino de Bioquímica. 2017;15(1):41-63.

Demo P. Educação e qualidade. 1. Ed.Campinas: Papirus;1996.

Vasconcelos C, Amador MF, Soares RB, Pinto TF. Questionar, investigar e resolver problemas: reconstruindo cenários geológicos. Investigações em Ensino de Ciências. 2012;7(3):709-720.

Vasconcelos C, Almeida A. Aprendizagem Baseada na Resolução de Problemas no Ensino das Ciências: Propostas de trabalho para Ciências Naturais, Biologia e Geologia. Coleção Panorama. Porto Portugal: Porto Editora; 2012.

Chalmers A F. O que é ciência, afinal? 2. Ed. São Paulo: Brasiliense; 2000.

Junior WEF, Ferreira LH, Hartwig DR. A dinâmica de resolução de problemas: analisando episódios em sala de aula. Revista Ciências & Cognição. 2008;13(3): 82-99.

Gomes MFT. Interação universidade-escola: vivenciando a formação docente. Revista Aproximando. 2015;01(1).

Freire PA. Educação na Cidade. 7ª ed. São Paulo: Cortez;2006.

Zanon LB, Hames C, Sangiogo FA. Interações em espaços de formação inicial na perspectiva da (re)construção do currículo escolar na modalidade de Situação de Estudos. Investigações em Ensino de Ciências. 2012;17(1):21-35.

Corrêa MJ, Penafort MJ. Considerações sobre biologia de Artemia sp. (Crustacea: Branchiopoda: Anostraca). REDVET Revista Eletrônica Veterinária. 2011;12(12):1-9.

Salgueiro ACF, Folmer V, da Rosa HS, Costa MT, Boligon AA, Paula FR, et al. In vitro and in silico antioxidant and toxicological activities of Achyrocline satureioides. Journal of Ethnopharmacology. 2016; (194):6-14.

Stappen VG. Artemia : introduction, biology and ecology of Artemia. In Manual on the Production and Use of Live Food for Aquaculture, ed. Patrick Lavens and Patrick Sorgeloos; 1996. Capitulo 361, p.79–106. Rome, Italy: FAO.

Salgueiro ACF. Plantas medicinais utilizadas por pessoas com Diabetes mellitus controlam o estresse oxidativo e apresentam baixa toxicidade: avaliação in silico, in vitro e in vivo da “Pata-de-vaca” e “Macela”. Tese de Doutorado, [PPG Bioquímica] – Universidade Federal do Pampa. 2017.

WHO (World Health Organization). [Internet]. 2014. [Acesso em Jun 2018]. Disponível em: http://www.who.int/medicines/areas/traditional/definitions/en/

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. [Internet]. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. 2016. [Acesso em Jun 2018]. Disponível em: .

Veiga JVF. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2008;18(2):308-313.

Dutra RC, Campos MM, Santos AR, Calixto JB. Medicinal plants in Brazil: Pharmacological studies, drug discovery, challenges and perspectives. Pharmacological Research. 2016;(112):4-29.

Moura CFL, Ribeiro FA, Silva MG, AraújoDA, Azevedo CB. Ciência para todos no semiárido potiguar. Anais III Conadu, vol 01 2016, ISSN 2358-8829. Disponível em: .

Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). [Internet]. Índices de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) 2017. [Acesso em Jun. 2017]. Disponível em:.

Fino CN. Vygotsky e a Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP): três implicações pedagógicas. Revista Portuguesa de Educação. 2001; 14(2): 273-291.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v16i2.814

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.