Uso do Role-Playing Game (RPG) como complemento didático no ensino de Imunologia

Matheus de Oliveira Lunardi Laureano, Matheus Lewi Cruz Bonaccorsi de Campos, Francisco de Menezes Cavalcante Sassi, Martha Elisa Ferreira de Almeida

Resumo


O Role-Playing Game (RPG) é definido como um jogo de interpretação de papéis, no qual os participantes podem jogar uns contra os outros, ou trabalharem juntos em prol de um objetivo. Assim, elaborou-se um jogo de RPG para trabalhar o conteúdo de Imunologia com crianças e adolescentes (5a a 8a série) onde as batalhas medievais, envolvendo criaturas fantásticas, se associam a elementos que compõem o Sistema Imunológico, como um xamã que representa um linfócito T. O mestre, neste caso o professor, guiará os participantes para ensinar o conteúdo de forma lúdica, ao longo de uma “guerra” dentro de uma pessoa. Os alunos controlarão os personagens responsáveis por atacar e defender o corpo (agentes infecciosos e glóbulos brancos, respectivamente) dispondo de um dado para a rolagem de suas ações no jogo. Como resultado, espera-se com este trabalho que o conteúdo de Imunologia seja fixado mais facilmente, de forma agradável e divertida.

Palavras-chave


método lúdico; Sistema Imunológico; ensino

Texto completo:

PDF

Referências


Cassaro M. Manual 3D&T Alpha. Porto Alegre: Jambô, 2008.

Cassaro M, Dei Svaldi G, Caldela L. Tormenta RPG. Porto Alegre: Jambô, 2015.

Rodrigues S. Role playing game e a pedagogia da imaginação no Brasil: primeira tese de doutorado no Brasil sobre o role playing game. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

Brotto FO. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Dissertação [Mestrado em Educação Física]-Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 1999.

Brandl Neto I, Lima PMS. Jogos cooperativos. Caderno de Educação Física: Estudos e Reflexões, 2002; 4(8):107-118.

Bomfim DL et al. Ocorrência de bullying nas aulas de Educação Física em uma escola do Distrito Federal. Pensar a Prática, 2012; 15(2):302-317.

Martini RG. Jogos cooperativos na escola: a concepção de professores de educação física. Dissertação [Mestrado em Psicologia da Educação]-Pontífica Universidade Católica de São Paulo, PUC-SP. 2005.

Riyis MT. SIMPLES: Sistema inicial para mestres - professores lecionarem através de uma estratégia motivadora. São Paulo: Editora do Autor, 2004.

Cabrera WB. A ludicidade para o ensino médio na disciplina de biologia: contribuições ao processo de aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da Aprendizagem Significativa. Dissertação [Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática]-Universidade Estadual de Londrina, Londrina. 2007.

Piaget JWF. Fazer e compreender. São Paulo: Melhoramentos EDUSP, 1978.

Vygotsky LS. Pensamento e linguagem. Brasil: Ed Ridendo Castigat Mores, 1979. Acesso em 04 de agosto de 2017. Disponível em: www.ebooksbrasil.org/adobeebook/vigo.pdf.

Xavier R. RPG e o ensino de história: diálogos e perspectivas. Revista Encontros de Vista, 2011;7:86-93.

Amaral RR, Bastos HFBN. O Roleplaying Game na sala de aula: uma maneira de desenvolver atividades diferentes simultaneamente. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2011;11(1):103-122.

Oliveira Neto AA, Benite-Ribeiro SA. Um modelo de role-playing game (RPG) para o ensino dos processos da digestão. Itinerarius Reflectionis, 2012; 2(13):1-15.

Rosetti Jr H et al. O jogo na educação matemática: desenvolvimento de um RPG para trabalhar o conceito de moeda no ensino fundamental. HOLOS, 2015; 8(31):113-121.

Vasques RC. As potencialidades do RPG (Role Playing Game) na educação. Dissertação [Mestrado em Educação Escolar]-Departamento de Didática, Programa de Pós-graduação em Educação Escolar da Unesp, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara. 2008.

Limberger LS, Silva JC. Os role playing games (RPGS) como uma ferramenta em psicoterapia: um estudo de caso. Boletim de Psicologia, 2014; LXIII(139):193-200.

Araujo RB, Oliveira MMA, Cemi J. Desenvolvimento de Role-Playing Game para prevenção e tratamento da dependência de drogas na adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2011;27(3):347-356.

Saldanha AA, Batista JRM. A concepção do Role-Playing Game (RPG) em jogadores sistemáticos. Psicologia Ciência e Profissão, 2009; 29(4):700-717.

Cavalcanti ELD, Soares MHFB. O uso do jogo de roles (roleplaying game) como estratégia de discussão e avaliação do conhecimento químico. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 2009; 8(1):255-282.

Randi MAF, Carvalho HF. Aprendizagem através de Role-Playing Games: uma abordagem para a educação ativa. Revista Brasileira de Educação Médica, 2013; 37(1):80-88.

Rosa M. Pesquisa qualitativa em Educação Matemática a distância: aspectos importantes do uso do Role Playing Game como procedimento metodológico de pesquisa. Educar em Revista, 2012; 45:231-258.

Soares AN et al. Role playing game (RPG) como estratégia pedagógica na formação do enfermeiro: relato da experiência de criação do jogo. Texto & Contexto Enfermagem, 2015; 24(2):600-608.

Zamariam FS. O RPG como alternativa metodológica para o ensino da leitura literária nas aulas de língua portuguesa. In: XI SEMINÁRIO DE PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS - SEPECH Humanidades, Estado e desafios didático‐científicos. Londrina, 2016. Acesso em 04 de agosto de 2017. Disponível em: http://www.proceedings.blucher.com.br/article-details/o-rpg-como-alternativa-metodolgica-para-o-ensino-da-leitura-literria-nas-aulas-de-lngua-portuguesa-23676.

Amaral JD. Jogos cooperativos. 4. ed. São Paulo: Phorte, 2009.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

Marcatto A. Saindo do quadro. São Paulo: São Paulo, 1996.

Rezende M, Coelho CPA. Utilização do Role-Playing Game (RPG) no Ensino de Biologia como ferramenta de aprendizagem investigativo/cooperativa. In: XXV CONADE, Congresso Nacional de Educação de Jataí - CAJ/UFG. Jataí, 2009. Acesso em 04 de agosto de 2017. Disponível em: http://www.academia.edu/3500258/A_Utiliza%C3%A7%C3%A3o_do_Role-Playing_Game_RPG_no_Ensino_de_Biologia_como_Ferramenta_de_Aprendizagem_Investigativo_Cooperativa.

Moratori PB. Por que utilizar jogos educativos no processo de ensino aprendizagem? Rio de Janeiro, 2003. Acesso em 04 de janeiro de 2017. Disponível em: http://www.nce.ufrj.br/ginape/publicacoes/trabalhos/t_2003/t_2003_patrick_barbosa_moratori.pdf.

Ferreira JHBP et al. Aprendendo sobre a relação presa-predador por meio de jogos pedagógicos. Departamento de Fisiologia - UNESP/ Instituto de Biociências/Botucatu – São Paulo, 2010. Acesso em 04 de agosto de 2017. Disponível em: http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2005/artigos/capitulo%2010/aprendendopresapredador.pdf.

Almeida MEF, Santos VS. Ensino de Imunologia pela incorporação do conhecimento pelo teatro e a música. Revista de Ensino de Bioquímica, 2015;13(3):6-21.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v15i1.725

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.