Avaliação das dificuldades de aprendizado em Bioquímica dos discentes da Universidade Federal do Piauí

Raíssa Silva Bacelar de Andrade, Ayres Fran da Silva e Silva, Maximiliano de Souza Zierer

Resumo


A Bioquímica é uma das disciplinas básicas mais presentes na grade curricular dos diversos cursos da área da saúde e das ciências da natureza. Contudo, a literatura aponta para uma grande dificuldade dos alunos de graduação frente ao aprendizado desta disciplina.  Esse trabalho teve como objetivo avaliar, por meio de um questionário, o grau de dificuldade de aprendizado em Bioquímica apresentado pelos discentes, a fim de levantar discussões sobre estratégias de ensino-aprendizagem para tentar minimizar o problema. Constatamos que 86,5%  dos alunos pesquisados apresentaram um grau de dificuldade de aprendizado em Bioquímica de médio a alto. Além disso, 62,8% dos alunos relataram ter dificuldades de aprendizado em outras disciplinas em seus cursos de graduação. Associado a esses dados, 81,03% dos estudantes reconheceram ter passado por dificuldades de aprendizado no ensino médio, sendo que as disciplinas mais mencionadas foram matemática (44,73%) e química (38,98%). Como consequência desse problema, 21,4% do total dos discentes pesquisados eram repetentes na disciplina de Bioquímica, o que representa um grupo significativo de alunos com grandes dificuldades de aprendizado. Verificamos que as dificuldades de aprendizado em Bioquímica possuem múltiplas causas, sendo que provavelmente a mais importante é a deficiência na formação dos alunos vindos dos ensinos fundamental e médio.

Palavras-chave


dificuldades de aprendizado; bioquímica; estudantes.

Texto completo:

PDF

Referências


Santos VT, Anacleto C. Monitorias como ferramenta auxiliar para aprendizagem da disciplina bioquímica: uma análise no Unileste-MG. Rev Ensino Bioquim. 2007; 5(1): E-E8.

Pinheiro TDL, Silva JAD, Souza PRMD, Nascimento MMD, Oliveira HDD. Ensino de Bioquímica para acadêmicos de Fisioterapia: visão e avaliação do discente. Rev Ensino Bioquim. 2009; 7(1): 25-35.

Vargas LMA. Bioquímica e a aprendizagem baseada em problemas. Rev Ensino Bioquim. 2001;1:1-5.

Scatigno AC. Ensino de bioquímica no curso de nutrição em uma instituição de ensino superior da rede particular: diagnósticos e intervenções. Tese de doutorado – Universidade de São Paulo. 2010.

Garzón JCV, Magrini ML, Costa C, Galembeck E. Realidade aumentada no ensino de vias metabólicas. Rev Ensino Bioquim. 2014;12(2):19-143.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Sinopses Estatísticas da Educação Superior 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse

Beckhauser PF, Almeida EM, Zeni ALB. O universo discente e o ensino de bioquímica. 2006;2:B1-B7.

Zeni ALB. Conhecimento prévio para a disciplina de bioquímica em cursos da área da saúde da Universidade Regional de Blumenau-SC. Rev Ensino Bioquim. 2010;2(1):B1-B14.

Feldberg RS. The new biochemistry: In praise of alternate curricula. Bioch Mol Biol Education. 2001;(29):222-224.

Cunha SM, Carrilho DM. O processo de adaptação ao ensino superior e o rendimento acadêmico. Psicol Esc Educ. 2005;9(2).

OECD. Programme for International Student Assesment (PISA): Results from PISA 2015. Pisa 2015 Database. Disponível em: https://www.oecd.org/pisa/pisa-2015-Brazil-PRT.pdf

Oliveira RAM, Oliveira KL. Leitura e condições de estudo em universitários ingressantes. Revista de Psicologia da Vetor Editora. 2007;8(1);51-59.

Schönborn KJ, Anderson TR. Bridging the educational research-teaching practice gap: foundations for assessing and developing biochemistry students’ visual literacy. Biochem Mol Biol Educ. 2010; 38(5): 347-54.

Ausubel DP, Novak JD, Hanesian H. (1978) Educational Psychology: A Cognitive view. Holt, Rinehardt& Winston. 1978.

Okane ESH. O estudo dirigido como estratégia de ensino na educação profissional em enfermagem. Dissertação de mestrado – Universidade de São Paulo. 2004.

Mitre SM, Siqueira-Batista R, Mendonça JMG, Pinto NMM, Meirelles CAB, Pinto-Porto C et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Cienc. Saúde Coletiva. 2008;13(2):2133-2144.

Zierer MS, Assis RC. A construção de modelos como estratégia para um ensino mais criativo nas disciplinas de bioquímica e biologia molecular. Diálogos & Ciência (Online), v. 8, p. 1-14, 2010.

Bartalo L, Guimarães SER. Estratégias de estudo e aprendizagem de alunos universitários: um estudo exploratório. Inf Inf. 2008;13(2);1-14.

Barbosa N et al. A expressividade do professor universitário como fator cognitivo no ensino-aprendizagem. Ciências & Cognição. 2009;14(1);75-102.

Mortimer EF. Pressupostos epistemológicos para uma metodologia de ensino de química: mudança conceitual e perfil epistemológico. Química Nova. 1992;15(3):242-249.

Silveira FT, Rocha JBT. Produção científica sobre estratégias didáticas utilizadas no ensino de Bioquímica: uma revisão sistemática. Journal of Biochemistry Education. 2016;14(1):7-21.

Vilhena L, Mota FNN, Oliveira FC, Batista FTS, Drefs YDS, Rosa LO. Jogo Bozó Genético: uma proposta didática como alternativa para o ensino da replicação de DNA no Ensino Médio. Journal of Biochemistry Education. 2016;14(3);57-67.

Veras RS, Ferreira SPA. A afetividade na relação professor-aluno e suas implicações na aprendizagem, em contexto universitário. Educar em Revista. 2010;38;219-235.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v15i1.690

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.