Atividades experimentais nos anos iniciais do ensino fundamental: ferramenta metodológica para a construção do processo de ensino-aprendizagem

Ana de Souza Lima, Kelli Anne dos Santos Azzolin, Terimar Ruoso Moresco, João Batista Teixeira da Rocha, Nilda Vargas Barbosa

Resumo


Com foco nos anos iniciais, este estudo avaliou o impacto de atividades experimentais baseadas no método científico e nas preconcepções das crianças sobre a aprendizagem de conceitos e fenômenos associados ao processo de Fermentação. Foi realizado um curso experimental (20hs) com 20 estudantes do 1º e 2º ano da Escola Municipal da Escola Municipal Diácono João Luiz Pozzobon na cidade de Santa Maria-RS, com idades entre 6 e 7 anos. Os resultados foram avaliados pela comparação das respostas de entrevistas realizadas antes do curso (pré-teste) e depois do curso (pós-teste), sendo os pós-testes aplicados no final do curso experimental, 6 e 12 meses depois. Observou-se que as atividades desenvolvidas facilitaram a aquisição e a construção de novos conceitos e causaram mudanças nas concepções prévias dos alunos. Os dados mostram que “atividades experimentais” podem ser usadas como ferramenta metodológica para auxiliar o processo de ensino-aprendizagem nesse nível de escolaridade.


Palavras-chave


atividades experimentais, fermentação, ensino fundamental, ensino de ciências

Texto completo:

PDF

Referências


Agostini VW, Delizoicov NC. A experimentação didática no ensino fundamental: impasses e desafios. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis - SC: ENPEC, Anais. 2009. Acesso em: 16 de março, 2015. Disponível em: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/1225.pdf.

Arruda SM, Laburú CE. Considerações sobre a função do experimento no ensino de Ciências. Pesquisas em Ensino de Ciências e Matemática. 1996;3:14-24.

Zanon LB. & Silva LHA. A experimentação no ensino de ciências. In: Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Org: Roseli P. Schnetzler e Rosália M. R. Aragão. CAPES / UNIMEP. 2000;120-53.

Zanon DAV, De Freitas D. A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental: ações que favorecem a sua aprendizagem. Ciências & Cognição. 2007;10:93-103.

Galiazzi M, Rocha JMB, Schmitz LC, Souza ML, Giesta S, Gonçalvez FPG. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de Ciências. Ciência & Educação. 2001;7(2):249-263.

Lavonen J, Jauhiainen J, Koponen IT, Kurki-Suonio K. Effect of a long-term in-service training program on teachers' beliefs about the role of experiments in physics education. International Journal of Science Education. 2004;26(3):309-328.

Lorenzetti L, & Delizoicov D. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte. 2001;3(1):37-5.

Lorenzetti L. O ensino de ciências naturais nas séries iniciais. Revista Virtual - Contestado e Educação, Caçador. 2005;2.

Rocha JBT, Barbosa NBV, Schetinger MRC, Pereira ME. Concepção sobre a natureza do conhecimento científico de estudantes e professores do ensino médio da região de Santa Maria: Influência de um curso baseado na resolução de problemas. Ciência Natura. 2000;01-02.

Rodrigues MR, Pinheiro NAM, Pilatti LAA. Física para criança: uma discussão sobre conceitos que enriquecem as aulas de ciências. In: I Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. Ponta Grossa - PR: SINECT, Anais. 2009;666-683. Acesso em: 22 de Maio, 2015. Disponível em: http://www.sinect.com.br/anais2009/artigos/8%20Ensinodecienciasnasseriesiniciais/Ensinodecienciasnasseriesinicias_Artigo1.pdf.

Rodrigues CG, Kruger V, Soares AC. Uma hipótese curricular para a formação continuada de professores de ciências e de matemática. Ciência & Educação, Bauru. 2010;16(2):415-426.

Barbosa JO, Paulo SR, Rinaldi C. Investigação do papel da experimentação na construção de conceitos em eletricidade no ensino médio. Caderno Catarinense Ensino de Física. 1999;16(1):105-122.

Hoernig AM. e Pereira AB. As aulas de Ciências Iniciando pela Prática: O que Pensam os Alunos. Revista da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 2004;4(3):19-28.

De Meis, L. Ciência e Educação - O Conflito Humano-Tecnológico. Ed. do Autor; 1998; p.5.

Da Rosa, C. W.; da Rosa, A. B. e Pecatti, C. Atividades experimentais nas séries iniciais: relato de uma investigação. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. 2007;6(2)263-274.

Folmer V, Barbosa NBV, Soares FA, Rocha JBT. Experimental activities based on ill-structured problems improve Brazilian school students understanding of the nature of scientific knowledge. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. 2009;8:239-261.

Figueira CM, Rocha JBT. A Proposal for Teaching Undergraduate Chemistry Students Carbohydrate Biochemistry by Problem-Based Learning Activities. Biochemistry and Molecular Biology Education. 2014;42(1):81-87.

Brasil. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF; 1998.

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9.394, de 20/12/1996, 1996.

Brasil. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF; 1997a.

____. (Ministério da Educação/Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: educação infantil. Brasília: MEC/SEF; 1999.

Barchelard G. A formação do espírito científico: para uma psicanálise do conhecimento, Tradução Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro, Contraponto; 1983; p. 316.

Carvalho AMP. (Org). Ciências no Ensino Fundamental: o conhecimento físico. Scipione; 1998.

Santos ED. A experimentação no ensino de ciências de 5ª a 8ª série do ensino fundamental: tendências da pesquisa acadêmica entre 1972-1995. (Dissertação - Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Campinas, Campinas; 2001.

Ferreiro E. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 15a ed.; 2008; p. 33.

Moss P. What future for the relationship between Early Childhood Education and Care and Compulsory Schooling? Research in Comparative & International Education. 2008;3(3):224-234. Acesso em 26 de Junho, 2015. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.2304/rcie.2008.3.3.224.

Campos MM. Ensino Fundamental e os desafios da Lei n. 11.274/2006 por uma prática educativa nos anos iniciais do ensino fundamental que respeite os direitos da criança à aprendizagem - In Salto para o futuro: Anos iniciais do Ensino Fundamental. Ano XIX - Nº 12 - Setembro/2009; 2009.

Piaget J. Como se desarolla la mente del niño. In: PIAGET, Jean et al. Los años postergados: la primera infancia. Paris: UNICEF; 1975.

Piaget J. Biologia e Conhecimento. 2ª Ed. Vozes: Petrópolis; 1996.

Sternberg RJ, Forsythe GB, Hedlund J, Horvath J, Snook S, Williams WM, Wagner RK, Grigorenko EL. Practical intelligence in everyday life. New York, USA: Cambridge University Press; 2000.

Sternberg RJ. The Theory of Successful Intelligence. Revista Interamericana de Psicología/Interamerican Journal of Psychology. 2005;39(2):189-202.

Sabbatini M, Germer H, Burgos P, MR, Rozo AC. La cultura científica en La prensa regional de Castilla y León; 2004.

Galiazzi M, Rocha JMB, Schmitz LC, Souza ML, Giesta S, Gonçalvez FPG. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de Ciências. Ciência & Educação. 2001;7(2):249-263.

Carmo MP, Marcondes MER. Abordando Soluções em sala de aula - uma Experiência de Ensino a partir das Ideias dos Alunos. Química Nova na Escola. 2008;28(5):37-41.

Schnetzler RP, Aragão RMR. Importância, sentido e contribuições de pesquisas para o ensino de Química. Revista Química Nova na Escola. 1995;1:27-31.

Lemos ES. Re-situando a teoria de aprendizagem significativa na prática docente, na formação de professores e nas investigações educativas em ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. 2005;5(3):38-51.

Mortimer EF. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências. 1996;1(1):20-39.

Zuliani SRQ, Suart JB, Bianchini TB, Silva RIV. Concepções espontâneas, o currículo e a transposição didática: avaliando a reestruturação de ideias em um curso universitário. VII Encontro Nacional de Pesquisas em Educação em Ciências. Florianópolis - SC: ENPEC, Anais; 2009. Acesso em: 14 de Julho, 2015. Disponível em: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/511.pdf..

Duarte FTB, Silva RR. A fermentação alcoólica como estratégia no ensino de transformação química no ensino médio, na modalidade EJA, em uma perspectiva interdisciplinar. Revista Metáfora Educacional (on-line). 2015; 17(1):3-21. Acesso em: 22 de Agosto, 2016. Disponível em: http://www.valdeci.bio.br/pdf/n17_2015 /duarte_silva_a_fermentacao_alcoolica_n17_jun2015.pdf.

Nigro RG. Pequenas criaturas invadem a indústria. In: BIZZO, Nélio. Ciência à mão. São Paulo: USP; 2008.

Oliveira CS, Festa F, Moraes JA, De_Avila PAJ, Louro RTCMC, Souza TP, Falcão VR. Bioquímica na cozinha. São Paulo: Instituto de Química da USP; 2005.

Evangelista J. Tecnologia de alimentos. 2. ed. Rio de Janeiro: Atheneu; 1989.

Hoff C. História do fermento natural. [S.l.]. 2011. Acesso em: 10 de julho, 2016. Disponível em: http://www.brotgarten.com.br/2011/03/historia-do-fermento-natural.html.

Aquarone E, et al. Biotecnologia Industrial: biotecnologia na produção de alimentos. São Paulo: Edgard Blucher; 2002.

Kalanty M. Como assar pães: as cinco famílias. São Paulo: Editora Senac. 2012; p 532.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa; 2011.

Pacca JLA, & Villani A. Categorias de análise nas pesquisas sobre conceitos alternativos. Revista de Ensino de Física. 1990;12(1):123-138.

Malacarne V, Strieder DM. O desvelar da ciência nos anos iniciais do ensino fundamental: Um olhar pelo viés da experimentação. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. 2009;5:75-85.

Harlan JD, Rivkin MS. Ciências em educação infantil: uma abordagem integrada. Trad. Regina Garcez. 7° edição; Porto Alegre: Artmed; 2002.

Brasil. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais: Ensino de primeira à quarta série. Brasília: MEC/SEF; 1997b.

Witter GP. Psicologia e educação: professor, ensino e aprendizagem. São Paulo: Alínea e Átomo; 2004.

Krasilchik M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU; 1987.

Pérez DG. Formação continuada de professores de Ciências: no âmbito ibero-americano. Campinas: Autores associados; 1996.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v15i1.678

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.