Jogo Bozó Genético: uma proposta didática como alternativa para o ensino da replicação do DNA no ensino médio

Letícia de Oliveira Rosa, Laís Vilhena, Fernanda Neves Normando da Mota, Francisco Claudemir de Oliveira, Fani Tamires Sousa Bastista, Yosie Dias Serrão Drefs

Resumo


Nos dias de hoje, apesar de se ouvir falar muito sobre a molécula de DNA em jornais, revistas, noticiários e programas de TV, percebem-se ainda muitas dificuldades por parte dos alunos em assimilar os conceitos e compreender os processos gênicos. Diante dessa realidade é que surgiu a ideia de se criar uma atividade lúdica, como ferramenta metodológica, no sentido de despertar o interesse dos alunos para o estudo dos conceitos científicos abordados no ensino de genética, dentre eles os envolvidos no processo de replicação do DNA. O jogo foi desenvolvido por alunos do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, do IFAM (Instituto Federal de Ciência e tecnologia do Amazonas) na disciplina de Genética Molecular. Os quais, inspirados no tradicional jogo Bozó, criaram o jogo Bozó-genético, que consiste em jogar os dados, somar os números presentes nas faces dos dados e pontuar conforme as regras do jogo. Uma alternativa simples, de baixo custo e eficiente na transmissão dos conhecimentos científicos de forma fácil e interativa, com a possibilidade de auxiliar, aluno e professor no processo ensino-aprendizagem.


Palavras-chave


atividade lúdica; replicação do DNA; ensino de genética

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTS, B. et al. Biologia Molecular da Célula. 5 ed. Porto Alegre: ArtMed, 2010. 1054p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 2009.

BARROS, C.S.G. Pontos de Psicologia do Desenvolvimento. São Paulo: Editora Ática, 1995.

BOCK, A. M. B; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, M. L. T. Psicologias. Uma introdução ao estudo de psicologia. 13 ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

CAMPOS, D.M.S. Psicologia da aprendizagem. Petrópolis, Vozes, 1987.

CAMPOS, L.M.L; BORTOLOTO, T. M; FELÍCIO, A.K.C. A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. 2002.

DE ROBERTIS, Eduardo M. F; HIB, José. Base da Biologia Celular e Molecular. Tradução Antônio Francisco Dieb Paulo. Rio de Janeiro: Guanabara koogan, 2004 4ª ed. P 293-295.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia, saberes necessários à Prática Educativa. 39 ed. São Paulo: Paz e Terra, (coleção leitura), 2009.

GRIFFITHS, W. The education approach to health work. California health, 15: (12) dez, 1957.

JANN, P.N.; LEITE, M.F. Jogo do DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de ciências e biologia. Rio de Janeiro: Centro Universitário da cidade (UNIVERCIDADE). Departamento de Biologia, 2010.

NELSON, D. L.; COX, M. Lehninger – Princípios de Bioquímica. 3 Ed. São Paulo: Sarvier, 2002.

PACHECO, D. Jogo, Educação e Tendências atuais: Uma viagem pelo hemisfério da emoção. Manaus: BK EDITORA, 2012. 134p.

POZO, J.I. Teorias Cognitivas da Aprendizagem. 3. Ed. Porto Alegre: Artes médicas, 1998, p.52-57.

RESENDE, A.L.M. Saúde dialética do pensar e do fazer. 1986. São Paulo. Cortez Editora, 159pp.

WHATSON, J. D; CRICK, F. H. C. A Structure for Deoxyribose Nucleic Acid. Nature 171, 1953, p. 737-738.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v14i3.645

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.