Fisio Card Game: um jogo didático para o ensino da fisiologia na educação básica

Tarcila de Araújo Alves, Lucas de Souza Falcão, Aline Tatiane Souza, Thaís Santiago do Amaral, Sheila Pereira de Lima, Thaís Billalba Carvalho

Resumo


O ensino de fisiologia apresenta dificuldades em dois pontos importantes: 1. a fragmentação do estudo dos sistemas biológicos que dificulta a viso da integração sistêmica e do funcionamento do organismo. 2. a dificuldade que os estudantes apresentam para memorizar as estruturas anatômicas e relacionar com o seu funcionamento. Esses dois aspectos afastam o interesse dos alunos em aprender os conteúdos de fisiologia e, neste contexto, apresentamos o Fisio Card Game. Este jogo consiste na formação de grupos de cartas com relação fisiológica que objetiva aumentar a visão integrada entre os sistemas biológicos e auxiliar na memorização de termos encontrados neste conteúdo. Após a elaboração, o referido jogo didático foi aplicado para estudantes do terceiro ano do ensino médio e foram respondidos questionários que indicam que o jogo pode auxiliar nesses dois fatores e, portanto, pode ser usado como um facilitador no processo de ensino/aprendizado por despertar interesse nos alunos.


Palavras-chave


morfofisiologia; jogo lúdico; integração sistêmica

Texto completo:

PDF

Referências


Vanzela EC, Balbo SL, Justina LAD. A integração dos sistemas fisiológicos e sua compreensão por alunos do nível médio. Arq Mudi 2007; 11(3): 12-9.

Merçon F. Os objetivos das ciências naturais no ensino médio. Revista Eletrônica do Vestibular. [periódicos na internet]. 2015. acesso em 15 de Outubro de 2015]. Disponível em: http://www.revista.vestibular.uerj.br/artigo/artigo.php?seq_artigo=38

Barbão AJM, Oliveira IG. Utilização e compreensão da nomenclatura biológica por alunos do ensino médio da escola estadual Wilson de Almeida – Nova Olímpia/MT. In Anais do IV Fórum de educação e diversidade: "diferentes, (des)iguais e desconectados”; 13 a15 de junho de 2010. , Tangará da Serra, MT. Livro Digital IV Fórum de Educação e Diversidade. 2010. p 1-5.

Siqueira LGG, Wechsler SM. Motivação para a aprendizagem escolar e estilos criativos. Campinas: ETD – Educação Temática Digital 2009; 10: 124-146.

Murray EJ. Motivação e emoção. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 1986.

Cruz SRR. Professores e mídias digitais: em busca da integração às práticas pedagógicas. Diálogos Educacionais 2010; 1(1): 41-50.

Kishimoto, TM. O jogo e a educação infantil. In: (Org.). Jogo, brinquedo,

brincadeira e educação. São Paulo: Cortez 1996.

Miranda S. No Fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje 2002; 28 (168): 64-66.

Neto AADO, Benite-Ribeiro SA. Um modelo de role-playing game (rpg) para o ensino dos processos da digestão. Revista Eletrônica do curso de Pedagogia do Campus de Tajaí - UFG 2012; 13(2): 1-15.

Cunha, HS. Brinquedo, desafio e descoberta. 1ª edição. AE/MEC/RJ, 1998.

Campos LML, Bortoloto TM, Felício AKC. A Produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno dos Núcleos de Ensino. [periódicos na internet]. 2002. acesso em 22 de abril de 2015]. Disponível em: http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2002/aproducaodejogos.pdf

Maluf ACM. Atividades lúdicas como estratégias de ensino aprendizagem. [periódicos na internet]. 2006. acesso em 22 de abril de 2015]. Disponível em: http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo.asp?entrID=850

Santos PRD, Oliveira CMS. Ludicidade: uma prática de ensino, sendo vivenciada nas experiências do estágio supervisionado. In Anais do II Congresso de educação, IV Seminário de estágio e I Encontro do PIBID “paradigmas da profissão docente”; 28 a 30 de novembro de 2013. Iporá - GO. IV Seminário de Estágio. 2013, p.110-119.

Cabrera WB. A Ludicidade para o ensino médio na disciplina de biologia: Contribuições ao processo de aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da Aprendizagem Significativa. Dissertação [Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática] - Universidade Estadual de Londrina. 2006.

Zanon DAV, Guerreiro, MAS, Oliveira RC. Jogo didático Ludo Químico para o ensino de nomenclatura dos compostos orgânicos: projeto, produção, aplicação e avaliação. Ciência & Educação 2008; 13: 72-81.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais + (PCN+) - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2002.

Orlando TC, Lima AR, Silva AM, Fuzissaki CN, Ramosa CL, Machado D, Fernandes FF, Lorenzi JCC, Lima MA, Gardim S, Barbosa VC, Tréz TA. Planejamento, montagem e aplicação de modelos didáticos para abordagem de biologia celular e molecular no ensino médio por graduandos de ciências biológicas. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2009; 1: A1-A17.

Moroni FT, Moroni RB, Justiniano SCB, Santos JMM. Pescando nucleotídeos: um novo jogo educativo para o ensino do processo de síntese protéica para estudantes do ensino médio. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica e Biologia Molecular 2009; 1: D1-D5.

Weyh A, Carvalho IGB, Garnero AV. Twister Proteico: uma ferramenta lúdica envolvendo a síntese de proteínas. Revista de Ensino de Bioquímica 2015; 13(1): 58-74.

Gomes LMJP, Messeder JC. Fotossíntese e respiração aeróbica: vamos quebrar a cabeça? Proposta de jogo. Revista de Ensino de Bioquímica 2014; 12(2): 91-107.

Vasconcellos CS. Metodologia dialética em sala de aula. Revista de Educação AEC 1992; 83: 1-18.

Moratori PB. Por que utilizar jogos educativos no processo de ensino aprendizagem? Trabalho de Conclusão de Curso [Instituto de Matemática - Núcleo de Computação Eletrônica Informática na Educação] - Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2003.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v14i1.614

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.