Identificação de concepções antropomórficas, teleológicas e vitalistas entre participantes de uma reunião anual da SBBq

Ariane Leites Larentis, Lúcio Ayres Caldas, Manuel Gustavo Leitão Ribeiro, Marcelo Hawrylak Herbst, Tomás Coelho Garcia, Letícia Labati Terra, Rodrigo Volcan Almeida

Resumo


Neste trabalho, buscou-se identificar obstáculos epistemológicos entre os presentes na XXXIX Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular (SBBq). Um questionário com perguntas e excertos de artigos científicos de revistas de alto fator de impacto foi respondido por 97 presentes (39 estudantes de iniciação científica, 42 pós-graduandos e 16 professores e pesquisadores). A partir da noção de obstáculo epistemológico proposta por Bachelard, foi possível identificar concepções vitalistas (animismo), concepções teleológicas dos processos evolutivos, em afirmações como a existência de objetivos/finalidades na adaptação dos organismos, assim como uma visão antropomórfica dos processos biológicos em avaliação, tanto nas respostas às perguntas como na aceitação ou não identificação destes obstáculos nos excertos. Verificou-se a presença de figuras de linguagem, metáforas e analogias (obstáculo verbal) na explicação da evolução e do sistema imune, também presentes nos excertos dos artigos.


Palavras-chave


antropomorfismo; teleologia; vitalismo

Texto completo:

PDF

Referências


Bachelard G. A Formação do Espírito Científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto; 1996.

Brousseau G. Epistemological obstacles and problems in mathematics. In Balacheff N, Cooper M, Sutherland R, Warfield V (Edition and translation). Theory of didactical situations in mathematics. New York: Kluwer Academic Publishers; 2002. p.79-98.

Pécheux M, Fichant M. Sobre a História das Ciências. Lisboa: Editorial Estampa; 1971.

Mayr E. Biologia, Ciência Única: reflexões sobre a autonomia de uma disciplina científica. São Paulo: Companhia das Letras; 2005.

Ribeiro MGL, Larentis AL, Caldas LA, Garcia TC, Terra LL, Herbst MH, Almeida RV. On the debate about teleology in Biology: the notion of “teleological obstacle”. História, Ciências, Saúde – Manguinhos 2015; 22(4): 1321-1333.

Looft, WR, Bartz, WH. Animism revived. Psychological Bulletin 1969; 71(1): 1-19.

Tamir P, Zohar A. Anthropomorphism and teleology in reasoning about biological phenomena. Science Education 1991; 75(1): 57-67.

Taber KS, Watts, M. The secret life of the chemical bond: students’ anthropomorphic and animistic references to bonding. International Journal of Science Education 1996; 18(5): 557-568.

Kallery M, Psillos D. Anthropomorphism and Animism in Early Years Science: Why Teachers Use Them, how They Conceptualise Them and What Are Their Views on Their Use. Research in Science Education 2004; 34: 291-311.

Larentis AL, Ribeiro MGL, Paiva LMC, Caldas LA, Herbst MH, Moura MVH, Domont GB, Almeida RV. Obstáculos epistemológicos entre pós-graduandos de bioquímica. Ciências & Cognição 2012; 17(2): 76-97.

Larentis, A. L., Caldas, L. A., Ribeiro, M. G. L., Herbst, M. H., Garcia, T. C., Nicolau, C., Trevisol, E., Einsfeldt, K., Castro, F., Girão, L. F. C., Andrade, R. A., Domont, G. B., Almeida, R. V.Vitalismo e teleologia na comunidade bioquímica brasileira: um estudo de caso In: VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências e I Congreso Iberoamericano de Investigación en Enseñanza de Las Ciencias, 2011, Campinas, SP. Anais do VIII ENPEC – I CIEC. ABRAPEC, p.1-12.

Likert R. A Technique for the Measurement of Attitudes. Archives of Psychology 1932; 22(140): 1-55.

Yolken RH, Dickerson FB, Fuller TE. Toxoplasma and schizophrenia. Parasite Immunology 2009; 31(11): 706-715.

Kuijl C, Neefjes J. New insight into the everlasting host-pathogen arms race. Nature Immunology 2009; 10(8): 808-809.

Sibley LD. Intracellular Parasite Invasion Strategies. Science 2004; 304 (5668): 248-253.

Sepulveda C, El-Hani CN. Quando visões de mundo se encontram: religião e ciência na trajetória de formação de alunos protestantes de uma licenciatura em ciências biológicas. Investigação em Ensino de Ciências 2004; 9(2): 137-175.

Porto PR, Falcão EB. Teorias da origem e evolução da vida: dilemas e desafios no ensino médio. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências 2011; 12: 13-30.

Galli LMG, Meinardi EN. The Role of Teleological Thinking in Learning the Darwinian Model of Evolution. Evolution: EducationandOutreach 2011; 4: 145-152.

Silva LA, Larentis AL, Caldas LA, Ribeiro MGL, Almeida RV, Herbst MH. Obstáculos Epistemológicos no Ensino-Aprendizagem de Química Geral e Inorgânica no Ensino Superior: Resgate da Definição Ácido-Base de Arrhenius e Crítica ao Ensino das “Funções Inorgânicas”. Química Nova na Escola 2014; 36(4): 261-268.

Bulcão M. Racionalismo da Ciência Contemporânea. Uma Análise da Epistemologia de Gaston Bachelard. Rio de Janeiro: Edições Antares; 1981.

Lopes AC. Currículo e Epistemologia. Ijuí: Editora Unijuí; 2007.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v14i1.558

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.