Os ensinamentos herdados de um grande mestre

Wagner Seixas da Silva

Resumo


Ensinar Bioquímica é um desafio enorme no ciclo básico de muitos cursos de graduação. Como convencer o aluno de que a disciplina é importante para seu curso de graduação em um momento tão inicial da sua caminhada acadêmica? Talvez seja difícil definir em palavras uma boa estratégica didática para isso, mas, entre as décadas de 70 e 80, alguns professores toparam este desafio! O professor Leopoldo de Meis foi um dos que dedicaram especial atenção à forma de ensinar bioquímica. Com sua sensibilidade ele foi capaz de perceber que o segredo seria manter a motivação, acrescida de um pouco de provocação aos jovens.

Foi pensando assim que o Prof. de Meis, junto com um grupo pequeno de docentes e alunos de pós-graduação do antigo Departamento de Bioquímica Médica, hoje Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, propôs introduzir o método da redescoberta em sala de aula. A ideia era apresentar o conteúdo da disciplina de bioquímica instigando os alunos a interpretarem os dados originais das grandes descobertas desta área. Para isso, cada tema de Bioquímica era apresentado através dos experimentos que levaram às conclusões que eram exibidas no livro didático. Desta forma, os alunos eram motivados a refazer perguntas e a propor experimentos que permitiam a interpretação dos resultados históricos dos cientistas. A metodologia parecia muito nova e difícil em um primeiro momento, mas, com o passar dos primeiros minutos de aula, o ambiente se tornava um local de ampla discussão científica, onde os alunos participavam ativamente e desenvolviam a habilidade de elaborar as questões necessárias para decifrar o funcionamento de vias metabólicas. O paralelo entre os fatos experimentais observados e o estado fisiológico do modelo experimental utilizado nos experimentos clássicos permitiam o desenvolvimento de um conhecimento amplo e crítico no aprendizado da Bioquímica.

Imaginar que já no primeiro semestre do curso de graduação o aluno era motivado a desenvolver a autonomia do pensamento crítico era algo revolucionário e bem atraente. Assim, não raro, era possível encontrar em sala de aula alunos já aprovados na disciplina, e cursando períodos mais adiantados no curso, voltando para participar das aulas e rever o querido professor!


Palavras-chave


Leopoldo de Meis, Editorial

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v13i1.547

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.