Análise da percepção de estudantes de graduação da área da saúde sobre o tema Biologia Celular

Carlos Alberto Andrade Monerat, Marcelo Borges Rocha

Resumo


A educação brasileira tem se modificado ao longo do tempo, especialmente com o aumento da oferta para os diferentes níveis de ensino. Em cursos de graduação, na área da saúde, a Biologia Celular se torna uma disciplina essencial, pois vários setores são diretamente influenciados pelas suas descobertas e pesquisas. Este trabalho objetivou analisar, junto a estes estudantes, percepções acerca do tema Biologia Celular, revelando, com os seus resultados, aspectos pertinentes, como conhecimento insuficiente a respeito do tema proposto. A definição de um conceito para a célula, questão básica, porém relevante neste contexto, exemplifica essa situação, pois mostrou um considerável índice de respostas insatisfatórias. Por outro lado, foi constatado o reconhecimento da Biologia Celular como uma área que apresenta conteúdos importantes na formação destes estudantes, devido as inúmeras pesquisas científicas que mostram a sua constante evolução em associação a temas da medicina e saúde pública.

Palavras-chave


Biologia Celular; Educação; Ensino Superior

Texto completo:

PDF

Referências


Pinto JMR. O acesso à educação superior no Brasil. Educ Soc 2004; 25(88): 727-756.

Andrade CY. Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social. Ens Sup - UNICAMP [periódicos na internet]. 2012. acesso em 08 de maio de 2014]. Disponível em: http://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/artigos/acesso-ao-ensino-superior-no-brasil-equidade-e-desigualdade-social#_ftnref1.

Queiroz FCBP, Queiroz JV, Vasconcelos NVC de, Furukava M, Hékis HR, Pereira ABP. Transformações no ensino superior brasileiro: análise das Instituições Privadas de Ensino Superior no compasso com as políticas de Estado. Ensaio: Aval Pol Públ Educ. 2013; 79(21): 349-370.

Demo P. Pesquisa: princípio científico e educativo. 14. ed. São Paulo: Cortez; 2011.

Lemke JL. Articulating Communities: Sociocultural Perspectives on Science Education. Journ of Res in Scie Teach [periódicos na internet]. 2001. acesso em 10 de março de 2014]. Disponível em: http://www.colorado.edu/physics/phys4810/phys4810_fa06/4810_readings/Lemke_reading2.pdf.

Demo P. Educar pela pesquisa. 3. ed. Campinas: Autores Associados; 1998.

Nascimento, TG; Linsingen, IV. Articulações entre o enfoque CTS e a pedagogia de Paulo Freire como base para o ensino de ciências. Conv Rev Cie Soc [periódicos na internet]. 2006. acesso em 02 de dezembro de 2014]. Disponível em: http://rconvergencia.uaemex.mx/index.php/convergencia/article/view/1396/1070.

Auler, D. Enfoque ciência-tecnologia-sociedade: pressupostos para o contexto brasileiro. Cie Ens [periódicos na internet]. 2007. acesso em 07 de dezembro de 2014]. Disponível em: http://ltc.nutes.ufrj.br/constructore/objetos/auler.pdf.

Legey AP, Jurberg C, Coutinho CMLM. Educação Científica na Mídia Impressa Brasileira: avaliação da divulgação de biologia celular em jornais e revistas selecionados. Alexandria Rev Educ Cie Tec 2009; 3(2): 35-52.

Valério M, Bazzo WA. O papel da divulgação científica em nossa sociedade de risco: em prol de uma nova ordem de relações entre ciência, tecnologia e sociedade. Rev Iber Cie Tec Soc Inov [periódicos na internet]. 2006. acesso em 07 de dezembro de 2014]. Disponível em: http://www.oei.es/revistactsi/numero7/articulo02b.htm.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 20. ed. São Paulo: Paz e Terra; 1996.

Kleiman A. Texto e leitor: Aspectos cognitivos da leitura. 7. ed. Campinas: Pontes; 2000.

Brandão CR. (org.). Repensando a Pesquisa Participante. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984.

Gil AC. Métodos e técnicas da pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas; 1987.

Goldenberg MA. Arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 2. ed. Rio de Janeiro: Record; 1998.

Cervo AL, Bervian PA, da Silva R. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson-Prentice Hall; 2007.

Lakatos EM, Marconi MA. Metodologia do trabalho científico. 4. ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde: Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução 466/12. 2012. acesso em 23 de abril de 2015]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 1. ed. Lisboa: Edições 70 – Brasil; 2009.

Kemper AA. Evolução Biológica e as Revistas de Divulgação Científica: Potencialidades e limitação para o uso em sala de aula. Dissertação de Mestrado [Educação] - Universidade de Brasília. 2008.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Haddad AE, Morita MC, Pierantoni CR, Brenelli SL, Passarella T, Campos FE. Formação de profissionais de saúde no Brasil: uma análise no período de 1991 a 2008. Rev Saúde Publ [periódicos na internet]. 2010. acesso em 15 de abril de 2014]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102010000300001.

Knippels PJ, Waarlo AJ, Boersma KT. Design criteria for learning and teaching genetics. Journal Bio Educ 2005; 3(39): 108-112.

Orlando TC, Lima AR, Silva AMD, Fuzissaki CN, Ramos CL, Machado D, et al. Planejamento, montagem e aplicação de modelos didáticos para abordagem de biologia celular e molecular no ensino médio por graduandos de ciências biológicas. Rev Ens Bioq [periódicos na internet]. 2009. acesso em 02 de dezembro de 2014]. Disponível em: http://bioquimica.org.br/revista/ojs/index.php/REB/article/view/33.

Legey AP, Chaves R, Mól ACA, Spiegel CN, Barbosa JV, Coutinho CMLM. Avaliação de saberes sobre célula apresentados por alunos ingressantes em cursos superiores da área biomédica. Rev Elec Ens Cie [periódicos na internet]. 2012. acesso em 10 de março de 2014]. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen11/REEC_11_1_11_ex590.pdf.

Justina LAD, Ferla MR. A utilização de modelos didáticos no ensino de genética - exemplo de representação de compactação do DNA eucarioto. Arq Mudi 2006; 10(2): 35-40.

Vigotsky LS. Pensamento e Linguagem. 4. ed. São Paulo: Cortez; 2008.

Chinelli M V, Ferreira MVS, Aguiar LEV. Epistemologia em sala de aula: a natureza da ciência e da atividade científica na prática profissional de professores de ciências. Cie Educ 2010; 16(1): 17-35.

Xavier MCF, Freire AdS, Moraes MO. A nova (moderna) Biologia e a genética nos livros didáticos de Biologia no ensino médio. Cie Educ 2006; 121(3): 275-289.

Giordan M. O papel da experimentação no ensino de ciências. Quim Nov Esc 1999; 10: 43-49.

Martins I, Nascimento TG, Abreu TB. Clonagem na sala de aula: um exemplo do uso didático de um texto de divulgação científica. Inv Ens Cie 2004; 9(1): 95-111.

Moura J. Biologia/Genética: O ensino de biologia, com enfoque a genética, das escolas públicas no Brasil – breve relato e reflexão. Semina: Cie Bio Saúde 2013; 34(2): 167-174.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação: Diretrizes Curriculares – Cursos de Graduação. Brasília. 2010. Acesso em 31 de março de 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12991&Itemid=866.

Acevedo JÁ, Vásquez A, Paixão MF, Acevedo P, Oliva JM, Manassero MA. Mitos da didática das ciências acerca dos motivos para incluir a Natureza da Ciência no ensino das ciências. Cie Educ 2005; 11(1): 1-15.

Praia J, Gil-Pérez D, Vilches A. O papel da natureza da ciência na educação para a cidadania. Cie Educ 2007; 13(2): 141-156.

Santos WLPD. Contextualização no ensino de ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Cie Ens [periódicos na internet]. 2007. acesso em 4 de novembro de 2014]. Disponível em: http://prc.ifsp.edu.br/ojs/index.php/cienciaeensino/article/view/149/120.

Klautau-Guimarães MN. A divulgação científica como estratégia de ensino dos principais conceitos básicos de genética. In VIII Encontro Nacional de Pesquisa e Educação em Ciências-ENPEC.; 5 a 9 de dezembro de 2011. Campinas, SP. Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências-ABRAPEC. 2011. 1056-1.




DOI: https://doi.org/10.16923/reb.v13i1.532

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

SBBq  BDC   e-revistas   DOI     

Licença Creative Commons The content of this journal is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.